Apito

Usina Triunfo, 1978

 

O apito soava. Longo, indo, indo, até não mais se ouvir, presente, há alguns minutos apenas. Sereno. A fumaça da chaminé, devagar, diminuindo, desaparecendo. Nem se via mais. Nuvens, restos, escondendo alaranjado, róseo, aquarela. Ainda dava para sentir o calor do sol. Uma brisa suave carregava o dia. Andorinhas vinham dos Andes, tantas, muitas. Barulho ensurdecedor, procuravam árvores, fios, muros. Pousando, fazer verão. Descanso, vir de tão longe, frio. Ali, calor, quietude. Reinavam agora, donas, não lhe pertencia mais, o bueiro ia além dos olhos, arranha-céu. Podiam ainda sentir o calor, apagando, indo.

 

Na Rua de Santa Rita os preparativos começavam. D. Zefa trazia uma toalha comprida, ela mesma fizera, trabalhosa. A outra, surrada, anos repetida. Mesmo ritual sempre.

– Os copos, Rosa. Se apresse, os copos.

– Mas a mesa tá pensa. Chama o Mestre Lu, precisa consertar o pé desse lado. Vai acabar quebrando copo, prato, tudo, Dinda.

– Então, corre, chama ele, mulher. Eu não tenho o dia todo, o povo chega já, já.

 

Mestre Lu subiu na encosta da Casa Grande. Dali via-se toda a usina, melhor lugar, vista. O que é que ele dizia, mesmo?

– O apito da usina quando pára é igual uma pessoa fechando os olhos. Que nem a morte.

Limpava as mãos, calejadas. Foi um dia difícil, tanta coisa para fazer, mas ficou muito bonito. Do jeito que ele gostava. Ia ficar feliz se estivesse lá. Mestre Lu sentiu um esquentar no peito, as bochechas pegando fogo. Sentiu a presença ao olhar para a usina, abriu um sorriso.

(…)

_______________________________

* Primeira página, primeiro capítulo de O Major – Eterno é o Espírito, Patricia Tenório, Edição do Autor, 2005, Menção honrosa em ficção no Prêmios Literários Cidade do Recife, 2005.

** Patricia Gonçalves Tenório é escritora de poemas, contos e romances desde 2004, tem 8 livros publicados e é mestranda em Teoria da Literatura pela Universidade Federal de Pernambuco, linha de pesquisa Intersemiose, com o projeto O retrato de Dorian Gray, de Oscar Wilde: um romance indicial, agostiniano e prefigural, sob a orientação da Prof. Dra. Maria do Carmo de Siqueira Nino. Contatos: www.patriciatenorio.com.br e patriciatenorio@uol.com.br