“Não contei a Dédalo sobre aquela noite. Segui fazendo os exercícios tal ele me ordenava, eram muitos e mais difíceis.

Qual o motivo dos exercícios? Transformar meu corpo num soldado? Não havia Minotauro, nem Medeias, nem Titãs – a Hércules, os Titãs! Queria apenas vê-la outra vez, outra vez, e lhe perguntarei o nome?

A lua cresce e ilumina toda a ilha. Mora na lua, a princesa? A outro pertence? Por que estava nua, o corpo coberto de ouro?

Não há a quem perguntar, o meu oráculo. Dédalo, com as intenções de guerra e guerreiro, não irá dar-me ouvidos. Basta a mim esperar, somente esperar”.

(Trecho do meu livro “Como se Ícaro falasse“)