Em junho de 2019, passeando com o professor e escritor Amilcar Bettega (RS) pelo Marco Zero, no Recife Antigo, um vendedor de chapéus me chamou de baronesa. No dia seguinte, escrevi um poema de mesmo nome e a personagem fez em mim moradia, até tomar forma em uma novela de época com dez capítulos.

A novela, escrita sob o pseudônimo de Charles Allington, narra a história de Natália Shoemberg, cantora de ópera, acusada do assassinato do marido, o barão Viktor Shoemberg. O cenário é a Viena do final do século XIX, início do século XX, onde eram contemporâneos artistas como Gustav Klimt e Koloman Moser, os arquitetos Otto Wagner e Adolf Loos, os escritores Arthur Schnitzler e Hugo von Hofmannsthal, além de Gustav e Alma Mahler e o pai da Psicanálise, Sigmund Freud.

Confira aqui a novela completa

Em outubro de 2019, viajei para a Viena do século XXI para confirmar detalhes da novela. Em março de 2020, entramos na pandemia de Covid-19, e propus a Adriano Portela, Jaíne Cintra, Juliana Aragão e Mariana Guerra que realizássemos (cada um/a em suas residências) um vídeopodcast, com a gravação das vozes de Adriano (masculinas) e minha (femininas) e a edição de imagens da Viena do século XIX por Jaíne Cintra e a equipe das meninas super poderosas, transformando o texto em uma espécie de rádio novela, tornando-o acessível (texto e vídeopodcast), em forma de capítulos semanais e gratuitos, no site dos Estudos em Escrita Criativa.

Em 15/06/2021, o primeiro capítulo desse trabalho a tantas mãos (e que nos deu imenso prazer realizar, apesar da pandemia), foi agraciado com mais de 40 mil visualizações no YouTube. E, para nossa surpresa, em 26/04/2022, atingiu a marca de 100 mil visualizações.

Mais uma vez, a minha infinita gratidão a todas as pessoas que nos leram e escutaram, e, em especial, a essa equipe maravilhosa que me ajudou a transformar esse sonho em realidade.

Começou

De mansinho

Feito céu

De madrugada

As letras

Juntando-se

Ali

As palavras

Fazendo sentido

E toda a construção

De uma personagem

Bela

Inteligente

Rica

Atravessa

O tempo

O espaço

E materializa-se

Aqui

Na mão

Que escreve

(A Baronesa, Patricia Gonçalves Tenório)