Perfume de Elba Lins* | Patricia Gonçalves Tenório**

Outubro, 2020

Tímida, ela vem em minha direção. É uma noite de julho de 2011, ao final do último espetáculo teatral As joaninhas não mentem. Traz consigo o livro de mesmo nome para eu autografar.

Alguns dias se passam. Abro a caixa de entrada e encontro um e-mail de Elba Lins sobre o impacto que a leitura do meu segundo livro lhe causara. Naquele instante epifânico, nasce o nosso diálogo.

“Hoje só desejo estar neste pequeno quarto e amanhã despertar, com o sol batendo na minha janela.

Hoje não preciso de amigos, não quero amantes, quero acordar bem cedo e lavar minhas mágoas, minha face e minha alma; colocar meu chapéu de palha e sair ao sol.

Vou percorrer campos de girassóis e firmar na minha retina as cores do mundo para poder transpô-las para as telas de linho dispostas na minha varanda, à espera da luz das cores adormecidas no branco inerte das telas. Nelas vou colocar a beleza dos campos, os detalhes de todas as coisas e a dança luminosa que só eu percebo nelas.

Mesmo que me isole do mundo e me torne um louco na visão dos outros, ainda assim, surpreenderei a todos com a beleza da minha obra.”[1]

Elba lê todos os meus livros e me transmite paz. Não a paz dos cemitérios, mas aquela plena de vida, e luz, e cores, e arte, reverberando em todas as células, em todos os cantos do ser.

“Queria voar como estes pássaros que esperam minha morte.

Queria fluir livre no céu azul

Encontrar minha tribo perdida

Minha paz

Mas meu sangue flui para esta terra seca

E estes pássaros não me deixam voar

Preciso lutar!

Preciso fugir!

Preciso viver!”[2]

O barro do poema, da prosa ficcional ou teórica já existiam em Elba Lins, guardados em um oráculo precioso, bastando apenas o afeto, as leituras dos clássicos, o dar-se as mãos em dança circular de amigas para se criar confiança, dar os primeiros passos – os mais difíceis – e deixar-se queimar no fogo primevo da criação, feito uma fênix desmesurada.

“Fogo primevo!

Que queima, me molda

E funde o barro amorfo.

Fogo criador,

Que me transforma

Em ser vivente.

*

Fogo selvagem!

Que me levou um dia

Pelas asas da paixão…

Que me inflou por dentro

E me fez

Brasa que queima.

*

Fogo lento!

A aquecer

Meus dias,

Minhas noites,

Doces e serenas.

*

Fogo, companheiro do fim

Que queima o que criou…

O que ontem foi meu corpo ardente

E hoje frio e sem vida

Arde contigo

No nosso encontro final.”[3]

Elba percorre os caminhos tortuosos da escrita, tantas vezes difíceis de se trilhar. Mas ela não se encontra só. Ela reconhece companheiros e companheiras de mesma dor, mesma luz, mesma busca de sentido que a verdadeira arte nos dá.

Oh, lume!

Oh, luz sagrada!

Alumia o meu caminho

Já percorri estradas

Já escalei montanhas

Sem nada encontrar

Cheguei a rios

Mas tive medo de mergulhar

Dancei cirandas fados e tangos

Me perdi nos passos

Do eterno buscar

Fiz poemas

Escrevi dor

Fugi por ruas escuras

Com alma em brasa a me perturbar 

Falei línguas, teci histórias

Deixei de falar

Me escondi de mim

Garimpei pelos caminhos

Pelos atalhos, rios, riachos

Buscando pedras preciosas e gema brilhante

Não pude alcançar

Parei de correr

Parei de andar

Olhei para dentro de mim

E encontrei a semente

Da flor de criar[4]

E, com a estatura de mulher inteira, escritora plena, aroma de primavera desabrochando no verão nordestino brasileiro, entre borboletas e girassóis, Elba Lins encontra-se pronta para voar, para lançar palavras ao vento, papel e tinta, amiga de Ariana, a Rainha do Amor Perfeito dos próprios versos, contos e reflexões.

Borboletas

Luz pálida

Orvalho

Grama verde

Sorriso

Corais

Madrepérola

Tuas mãos

Flor de algodão

Beija-flor

Cor lilás

Nuvem de pó

Flauta doce

Amanhecer

Abelha

Pérolas

Cristal

Raio de luz

Tua pele

Arrepio

Arco-íris

Cetim

Papel em branco

Girassol[5]


* Elba Santa Cruz Lins (Monteiro/PB, 1957) é formada em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal de Pernambuco (1979), com MBA em Gestão de Negócios (EAD) pela PUC-PR. Trabalhou durante 34 anos na área de Telecomunicações da CHESF (Companhia Hidroelétrica do São Francisco). Atualmente aposentada, dedica-se à escrita. Fez curso de Contação de Histórias no Zumbaiar (Recife). Faz poesias, há cinco anos participa dos Estudos em Escrita Criativa, sob a coordenação de Patricia Gonçalves Tenório, e cursou a primeira turma da Especialização Lato Sensu em Escrita Criativa – Unicap/PUCRS (2019.2/2020.2). Lançou em 2017 seu primeiro livro de poemas, Do outro lado do espelho: O feminino em estado de poesia. Participou com textos teóricos da trilogia Sobre a escrita criativa (2017, 2018, 2020). Destaque Literário (projeto de Bernadete Bruto) da Cultura Nordestina (Salete do Rêgo Barros) no mês de outubro, 2020. Contato: elbalins@gmail.com

** Escritora, dezessete livros publicados, sendo um deles em formato vídeo-podcast, e mais três no prelo, mestre em Teoria da Literatura (UFPE) e doutora em Escrita Criativa (PUCRS). Contatos: grupodeestudos.escritacriativa@gmail.com e https://www.youtube.com/estudosemescritacriativa

[1] Elba Lins, 06/09/2016, “A luz das cores”. Texto escrito a partir da observação de um postal, exercício do grupo de Estudos em Escrita Criativa, composto por Bernadete Bruto, Elba Lins e Patricia Gonçalves Tenório.

[2] Elba Lins, 19/08/2017, 12h31, a partir da capa de Chão arejado, de Marcos Torres, Interpretações gráficas de Uilian Novaes, Guaratinguetá, SP: Penalux, 2017, no encontro de agosto, 2017, do grupo de Estudos em Escrita Criativa, composto por Bernadete Bruto, Elba Lins, Luisa Bérard, Patricia Gonçalves Tenório e Talita Bruto.

[3] Elba Lins, “Fogo – Do Barro à Pira, Companheiro de Vida”, 20/08/2017. Poema escrito no último encontro dos Estudos em Escrita Criativa 2018, aberto ao público na Livraria Cultura do Shopping RioMar, Recife, em 10/11/2018.

[4] Elba Lins, “Buscando o sentido da vida”, 06/04/2019. Poema escrito na aula sobre o Brasil do curso de extensão Estudos em Escrita Criativa na Unicap.

[5] Elba Lins, “Leveza”, 01/08/2020. Exercício de desbloqueio em quinze minutos do módulo sobre o Japão dos Estudos em Escrita Criativa On-line. Elba utiliza uma de suas técnicas favoritas: as listas de Sei Shônagon.