Os sonhos nascem para todos | Patricia Gonçalves Tenório*

Olho da janela do meu quarto e vejo o mar.

E vejo os “longos, perigosos, tortuosos” caminhos para chegar até aqui. Não sei se consegui chegar a algum “Monte da Resposta Perdida”. Mas fui à beira do abismo, conversei com o corvo Graco, a flor Isabel, abri as asas de Ícaro acolhendo a sacerdotisa do sol Laura. Ajudei Ariana e Manoela a vencerem a vertigem, encontrarem Átila e Pedro, o Amor Perfeito e a própria Voz.

Confessei os meus pecados junto com D’Agostinho, estudei cinema nos meus Diálogos, fui à França com Sans Nom, à Romênia com Fără nume, à Espanha com Veintiuno, à Itália e os prêmios da Accademia Internazionale Il Convivio.

Tudo isso por meio da palavra escrita e tantos mestres: Raimundo Carreiro, Karla Melo, Maria do Carmo Nino, Lourival Holanda… Luiz Antonio de Assis Brasil.

Abri livrarias – a Domenico –, me embrenhei em editoras – a Calibãn –, vasculhei teorias no meio acadêmico da Universidade Federal de Pernambuco (a UFPE), compartilhei a Escrita Criativa da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul  (a PUCRS) com Bernadete Bruto, Elba Lins, Luisa Bérard, Talita Bruto no grupo de Estudos em Escrita Criativa, no I Seminário Nacional em Escrita Criativa de Pernambuco da XI Bienal do Livro em 2017, nos encontros das Livrarias Cultura de Recife e Porto Alegre em 2018, no curso de Extensão na Unicap no primeiro semestre de 2019, e na Especialização Lato Sensu em Escrita Criativa na parceria entre a Unicap e a PUCRS que nasceu em 16 de agosto deste ano.

E aqui me encontro, quinze anos de escrita, quase cinquenta de vida, um mundo de sonhos em minhas mãos. Pedrinhas de sonhos, muitas delas brilhantes, outras, nem tanto assim.

Olho da janela do meu quarto e vejo o mar. E vejo ondas crispadas, ou mesmo, águas calmas e cristalinas.

Tudo depende de se acreditar na própria escrita, na própria voz, que as pedrinhas brilhantes, ao menos para mim, fizeram sentido, acalmaram a alma, fizeram sobreviver mais um dia, e mais outro, e, em novembro de 2019, me lançar em cinco livros, quinze anos de escrita, cinquenta anos de vida, três filhos, e, quem sabe, respirar feliz.

Se eu fosse um

Passarinho

Esqueceria as

Folhas mortas

Do passado

Arrancaria as

Ervas daninhas

Do presente

E passearia

Suavemente

No céu azul

 

Mas como

Não sou um

Passarinho

Vivo à cata

De migalhas

Vivo em busca

De palavras

Assim

Pequenininhas

Que possam

Traduzir

Por um segundo

A imensidão

De eternidade

Presa aqui

No meu peito

(“Quem escreve não se cansa de buscar”. In 14. Patricia Gonçalves Tenório. Designer: Jaíne Cintra. Apresentação: Alves de Aquino e Carlos Nóbrega. Recife: Raio de Sol, novembro de 2019)

 

_________________________________________

IMG_9501

**

_________________________________________

Patricia Gonçalves Tenório (Recife/PE, 1969) escreve prosa e poesia desde 2004. Dezesseis livros, cinco no prelo, com premiações no Brasil e no exterior, entre elas Primo Premio Assoluto por A menina do olho verde (em outubro, 2017), pela Accademia Internazionale Il Convivio, Itália), e Prêmio Marly Mota (2013) da União Brasileira dos Escritores – RJ pelo conjunto da obra. Mestre em Teoria da Literatura (UFPE) e doutora em Escrita Criativa (PUCRS), ministrante dos Estudos em Escrita Criativa  desde 2016 e organizadora das coletâneas Sobre a escrita criativa I (2017), II (2018) e III (prelo, 2020). Contatos: patriciatenorio@uol.com.brwww.patriciatenorio.com.br

** Cinco Livros a serem lançados em 21/11/2019 (Recife) e 25/11/2019 (Porto Alegre):

7 por 11 (seleção de livros, apresentação Fábio Varela),

12 horas (tese de doutorado em Escrita Criativa, apresentação Assis Brasil),

13 (contos, apresentação Bernardo Bueno),

14 (poemas, apresentação Alves de Aquino e Carlos Nóbrega) e

15 (ensaios, apresentação Fábio Varela).