“Doze horas”: O mito individual em uma autobioficção* | Patricia Gonçalves Tenório**

RESUMO

Doze horas é uma novela ensaística em três camadas. Narrada em terceira pessoa do singular, conta a história de Arabella Fantini, quarenta e cinco anos, solteira e sem filhos, nascida em Recife, residente em Porto Alegre, Brasil, e museóloga do Museu de Arte do Rio Grande do Sul – MARGS. Ela traz à tona artistas desconhecidos, e, uma bela tarde, recebe a carta com fotografias da obra de Fernandes Vieira, artista português que o remetente afirma ter conhecido seu pai, desaparecido desde os treze anos da museóloga. Toda a narração é feita durante o voo de doze horas para Lisboa, resgatando o passado, descrevendo o presente, antecipando o futuro, criando diálogos imaginários com “o rapaz ao lado”. Esta é a primeira camada. A segunda camada é narrada em primeira pessoa do singular, por uma estudante de doutorado em Escrita Criativa, Manoela. Subentende-se que ela estuda na PUCRS, e seria uma mimesis do processo de construção da presente tese. A terceira camada encontra-se no ensaio teórico (na impessoalidade da primeira pessoa do plural), com os Diários de Bordo em anexo (na proximidade da primeira pessoa do singular). O ensaio teórico tem como objetivos, à luz dos conceitos de autobiografia, autoficção e diário encontrados em O pacto autobiográfico – de Rousseau à internet, do ensaísta e sociólogo francês Philippe Lejeune, e de “O mito individual do neurótico”, do psicanalista francês Jacques Lacan, investigar as camadas intercambiáveis da tese, assim como apresentar o gênero híbrido da autobioficção.

Palavras-chave: Autobioficção. Literatura. Linguagem Digital. Psicanálise. Escrita Criativa.

 

ABSTRACT

Twelve hours is an essayist novel in three layers. Narrated in the third person singular, tells the story of Arabella Fantini, forty-five years old, single and childless, born in Recife, resident in Porto Alegre, Brazil, and museologist at the Art Museum of Rio Grande do Sul – MARGS. She brings up unknown artists and, one fine afternoon, receives the letter with photographs of the work of Fernandes Vieira, Portuguese artist that the sender claims to have met her father, who has disappeared since the museologist’s thirteenth birthday. All the narration is done during the twelve hours flight to Lisbon, rescuing the past, describing the present, anticipating the future, creating imaginary dialogues with “the man next door”. This is the first layer. The second layer is narrated in the first person singular, by a PhD student in Creative Writing, Manoela. It is understood that she studies in PUCRS, and would be a mimesis of the process of construction of the present thesis. The third layer is in the theoretical essay (in the impersonality of the first person plural), with the attached Logbook (in the vicinity of the first person singular). The theoretical essay has as objectives, in the light of the concepts of autobiography, autofiction and diary found in The autobiographical pact – by Rousseau to the internet, from the French essayist and sociologist Philippe Lejeune, and “The individual myth of the neurotic”, from the French psychoanalyst Jacques Lacan, to investigate the interchangeable layers of the thesis, as well as to present the hybrid genre of autobiofiction.

Keywords: Autobiofiction. Literature. Digital Language. Psychoanalysis. Creative Writing.

 

______________________________________

Foto 2

Foto 4

Foto 6

Foto 9

______________________________________

Tese em Escrita Criativa pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) defendida às 14h de 08/10/2018, sala 305, bloco 8, com banca examinadora composta por Profa. Dra. Maria do Carmo de Siqueira Nino (UFPE), Profa. Dra. Tânia Regina Oliveira Ramos (UFSC), Profa. Dra. Débora Teresinha Mutter da Silva Mota (ULBRA), Prof. Dr. Bernardo José de Moraes Bueno (PUCRS), e Prof. Dr. Luiz Antonio de Assis Brasil (Presidente/PUCRS).

** Patricia Gonçalves Tenório (Recife/PE, 1969) escreve prosa e poesia desde 2004. Tem onze livros publicados, com premiações no Brasil e no exterior, entre elas Melhor Romance Estrangeiro por As joaninhas não mentem (em outubro, 2008) e Primo Premio Assoluto por A menina do olho verde (em outubro, 2017), ambos pela Accademia Internazionale Il Convivio, Itália); Prêmio Vânia Souto Carvalho (2012) da Academia Pernambucana de Letras (PE) por Como se Ícaro falasse, e Prêmio Marly Mota (2013) da União Brasileira dos Escritores – RJ pelo conjunto da obra. Mestre em Teoria da Literatura (UFPE) e, a partir de 08/10/2018, doutora em Escrita Criativa (PUCRS). Contatos: patriciatenorio@uol.com.brwww.patriciatenorio.com.br