Sete anos | Raldiany Pereira*

Nossa senhora das crianças crescidas

Rogai pelas mãezinhas zelosas

Que procuram, perplexas!

Seus bebês e criancinhas perdidas…

 

Lembro bem

Tenho certeza

Foi ontem ainda

Ouvia lá fora

A voz grave e suave

De meu amoroso pai

E dedilhava as cosquinhas

De minha amada mãe

Dentro de sua barriga!

 

Logo depois foi aquele…

Acuda-nos Deus!

Não sabiam o que fazer

Para silenciar

Os choros meus.

 

Berço, móbile, mosquiteiro

Banho no balde

Banho de sol

Primeiro banho de mar

Primeiro banho de piscina

Primeiro banho de chuveiro

Em pé, com sete meses, no banheiro.

 

Chocalho, babador, sling, carrinho…

Passeios manhã e tarde pelo condomínio.

 

Meu primeiro dentinho

Minha primeira febre

Meu cabelo ralinho.

 

Sentei, ajoelhei, dei meu primeiro passinho.

Aos nove meses,

Desembestei na carreira!

Que asneira!

Que tombo!

Que galo!

Era bebê… e me sentia menino…

 

Meninote fui para a escola

E encontrei outras criancinhas.

Lembro-me especialmente de Teresa…

Como chorávamos!

Sem querer largar nossas mãezinhas.

 

Ainda usávamos fraldas

E não largávamos nossas chupetinhas

Presas aos paninhos

Cuidadosamente guardados

Entre nossas mãozinhas.

 

Trenzinho, barquinho, carrinho, peteca…

Blocos de madeira, blocos de montar, legos minúsculos…

Triciclo, patinete, bicicleta sem rodinhas…

Super-heróis, super-vilões…

Bombeiro, mocinho, polícia, ladrão…

Bola de meia, bola de gude, pião…

Pipa, patins, tobogã…

 

O que é isso?

Caiu seu primeiro dentinho?

Nossa!

Já nasceram outros seis!

 

Qual seu nome?

Quantos anos você tem?

Me chamo Pedro Antonio.

Completo sete anos em julho.

Dia 26.

 

Cresço. Cresço.

Cresço rápido demais.

Vê…!

Já quase alcanço

O ombro de minha mãe.

 

Ao meu filho querido

e a todas as pessoas que fazem parte

da sua história, imprimindo em sua vida

doces memórias.

Raldianny Pereira

26.07.2018

Em maio de 2014, Antonio Menezes deu uma entrevista. Ele foi um dos repórteres que cobriu a passagem da seleção brasileira de futebol pelo Recife na Copa de 1958. Tia Íris, então professora do maternal, assistiu a entrevista, reconheceu o pai de seu aluno e me falou sorrindo: “Pedro Antonio vai ter muitas histórias para contar”.

Em maio de 2016, Antonio Menezes partiu. Seis meses depois, em novembro do mesmo ano, Tia Íris também cumpriu sua jornada.

Poderíamos dizer… “gostaríamos que eles estivessem aqui… celebrando o 26 de julho de 2018 conosco”. Seria uma verdade. De fato, queríamos muito os dois abraços. Como abraçam gostoso!

Mas eu e Pedro Antonio preferimos dizer que nossos amores celebram a vida conosco numa vida de outra dimensão. E se nossos sentidos não conseguem percebê-los na dimensão dessa outra vida, nossos sentimentos atravessam o véu e os abraçam. Como sempre!

_______________________________________

Raldiany Pereira é escritora, mãe de Pedro, e participaram pela primeira vez dos Estudos em Escrita Criativa em 11 de Agosto de 2018, quando foi lido o belíssimo “Sete anos”. Contatoraldianny@gmail.com