Catopelando | Mara Narciso*

Nos anos 1960, a nostalgia fala: não havia decoração pública nas Festas de Agosto de Montes Claros. Nem esse nome havia. Quando meiava o mês ventoso – “agosto chega como a ventania, cálice bento e abençoado, a dor do povo de São Benedito, no mastro existe para ser louvado” (Tino Gomes e Georgino Júnior) – os dançantes saiam para a rua. O Congado, nossa mais ardorosa tradição, tem na devoção a São Benedito, Nossa Senhora do Rosário e ao Divino Espírito Santo o motivo da festa.  As violas dos marujos de vermelho e azul (uma dissidência é branca) e dos caboclinhos com arcos, flechas e tangas de penas de galinha circulavam pelo centro da cidade. Ano após ano, podia-se ouvir a batida dos pandeiros, caixas e tambores dos catopês, com sua dança cadenciada, indo e voltando em fila indiana, com os estandartes e uma fé candente. Eram grandes em sua coragem e veneração aos santos, mas minguados em número. Na verdade, o Segundo Terno de Catopês de Nossa Senhora do Rosário, tinha à frente o grande Mestre João Faria, desde os 17 anos, e uma dúzia de homens e meninos, quase todos descalços, nem mesmo sandálias de borracha possuíam, trajavam roupas brancas surradas e empoeiradas, com minguadas fitas coloridas nos capacetes, traços que marcam o grupo, e uma dolorida cara de sofrimento. Não dá para tirar isso nem da História e nem da letra da música “Montesclareou” cujo verso diz “meus olhos cegos de poeira e dor”.

A antiga Igreja do Rosário, no meio da praça, foi derrubada pelo progresso e outra moderna com formato de barco passou a abrigar os dançantes em seus rituais, debaixo da quentura abafada do lugar. Lá se vão décadas e a festa mudou, recebeu o apoio de políticos, da população e especialmente da classe média, que aderiu e apoiou financeiramente, com jantares coletivos e doações, mesmo sem verbas oficiais. Sem contar os príncipes e princesas e quase toda a corte, que são provenientes da classe abastada, onde estão os festeiros que organizam o almoço dos participantes. Sem isso, a Festa dos Catopês, Marujos e Caboclinhos, negros, brancos e índios, respectivamente, este ano em sua 179º edição, 18 anos anterior à emancipação de Montes Claros, poderia ter desaparecido. Quem vê sua grandiosidade hoje, coligada ao Festival Folclórico – 40ª edição, apoiada e admirada pela plasticidade da sua dança, beleza e longevidade, nem sonha como já foi.

A classe média entrou nos ternos seguindo um ritual complexo, a começar pela exigência de fé, respeito às tradições e comparecimento aos ensaios. Chegou com trabalho e participação no cortejo. Não pode descaracterizar os rituais nem os figurinos. Os capacetes dos catopês mudaram, adquirindo pedrarias, penachos de pavão, e fitas coloridas até o chão. As faixas transpassadas no peito mostram a graduação dentro do reinado. Os chegantes estão, obviamente, sob o comando dos mestres e muitos se apresentam há décadas. São importantes na manutenção da festa, mas há discordantes veementes, que querem apenas os dançantes de raiz no desfile. Dentro dos limites estipulados, a manutenção dessa infiltração respeitosa é bem-vinda. A discussão e palpites são antigos, e alguns olhares externos querem expurgar o Festival Folclórico e dizer como os dançantes devem se comportar.

As Festas de Agosto, quer gostem ou não, valorizem ou pensem que sejam artificiais e aculturadas, mobilizam a cidade durante quatro dias e quatro noites, tumultuando o centro e trazendo vida e alegria ao sofrido povo da cidade.

Muitos querem ver, fotografar e filmar o desfile que começa na Praça Dr. João Alves e desce até a Praça Portugal na direção da Igreja do Rosário. A cacicona Maria do Socorro Pereira Domingues, no comando dos caboclinhos, é a única mulher a ocupar esse cargo. O Mestre Zanza – João Pimenta dos Santos, catopê da velha guarda, tem 85 anos, desfila desde o nascimento, e esse apelido foi-lhe dado pela mãe, porque ficava “zanzando” pela casa. Firme no cortejo até hoje, tem recebido homenagens e honrarias. O Mestre João Faria, um carroceiro na vida real e um rei na vida de sonho e sua inconfundível marcação de ritmo, partiu aos 74 anos, em 10 de janeiro de 2018. Nesta festa, a passagem do seu Terno, comandado pelo neto Yuri Farias Cardoso, de 19 anos, arrancou lágrimas dos mais sensíveis, inconformados com as perdas definitivas.

____________________________________

Mara Narciso é médica e escritora de Montes Claros (MG) e toda semana me presenteia com suas crônicas belíssimas. Contato: yanmar@terra.com.br