“O livro das recordações”* | Coordenação: Diógenes da Cunha Lima

Marcel Proust, um dos maiores escritores da história da literatura, ficou célebre por sua obra Em busca do tempo perdido, publicada em sete volumes, três deles após sua morte, em 1922. Quando ainda era um adolescente, o jovem escritor estava na festa de uma prima, Antoinette, e foi convidado a preencher um questionário bastante popular à época, principalmente entre as famílias da Inglaterra vitoriana, onde surgiu com o nome “Confessions” (“Confissões”). Era uma modinha, como se diz, uma brincadeira, típica dos jogos de salão da refinada Belle Époque, servindo para criar assuntos e animar as festas. As respostas do gênio da literatura francesa tornaram o modelo de questionário tão famoso que foi rebatizado com o seu nome e virou uma espécie de padrão para muitas entrevistas jornalísticas até os dias de hoje.

Além do aspecto intelectual, o Questionário Proust é, antes de mais nada, uma divertida brincadeira. São 18 perguntas que devem ser respondidas espontaneamente, sem muito pensar, como um passatempo, permitindo que as respostas sejam reveladoras e, até, surpreendentes. Poetas como Carlos Drummond de Andrade, Manuel Bandeira e muitos outros escritores de todo o planeta também já responderam a esse questionário.

Inspirando-me em Proust, criei novas perguntas e convidei escritores amigos para respondê-las. É a chamada “hora da verdade”. Mas também a hora da amizade, de compartilhar com eles – e agora com vocês, leitores – a variedade das respostas, as coincidências, o que temos em comum, mesmo nas infinitas diferenças de como enxergamos o mundo.

Diógenes da Cunha Lima