Último dia em Paraty | Mara Narciso*

10 de julho de 2015

“Estava à toa na vida, o meu amor me chamou, pra ver a banda passar, tocando coisas de amor.” (A Banda, Chico Buarque de Holanda, 1966).

 

O início da apresentação do Grupo Carroça Mamulengo de Rio Claro, MG, estava marcado para as 9 horas da manhã na Praça da Matriz, no último dia da XIII FLIP, Festa Literária Internacional de Paraty. O público chegou aos poucos, juntamente com os atores, uns jovens bonitos, e da mesma família, sendo duas duplas de gêmeos, uma de rapazes e outra de moças, capitaneados pela mãe de um deles. Trouxeram suas crianças, e a atividade faria parte da Flipinha, dedicada ao público infantil.

Os jovens circenses colocaram um lençol colorido no centro da praça e nele se sentaram, improvisando um camarim. Com espelhos nas mãos tiraram objetos mágicos da sacola e iniciaram a pintura dos seus rostos, primeiro com uma base branca, e depois cor preta nas sobrancelhas, boca vermelha e nariz de palhaço. As crianças, filhas dos artistas, também estavam se trocando e se pintando. Eram pessoas bonitas. Algumas delas trazendo instrumentos musicais, sentaram-se nos bancos e começaram a ensaiar alguns acordes. Outros traziam pernas de pau longas, protegidas por grandes sacos de pano.

A platéia foi se formando e invadiu a cena fotografando e filmando. Os atores vestiam roupas de cores alegres e foram subindo nas suas pernas-de-pau. As moças estavam com longos e charmosos vestidos. Mal começaram a andar lá no alto, já impressionavam pela habilidade. A música começou, embalando o aquecimento. Então, eles fizeram uma roda, chamando o público, e de lá de cima seguraram as mãos dos cá de baixo. O grupo fingia o abrir e fechar de uma porteira, imitando o ruído com a voz, abrindo e fechando os braços. Após alguns minutos chamaram a assistência para acompanhá-los ruas afora, o que já seria surpreendente, considerando-se o calçamento da cidade, com pedras altas e irregulares, com sulcos e monturos, onde é difícil caminhar devagar, mesmo de tênis. Com pernas-de-pau?

 

“A minha gente sofrida esqueceu-se da dor, pra ver a banda passar, cantando coisas de amor.”

 

Com a agilidade de jovens treinados e com boa força nas pernas, o grupo avançou célere pelas ruas pedregosas de Paraty, acompanhado pelo relativamente pequeno grupo, a princípio, que estava na praça naquela manhã fria. Seus filhos seguiram o grupo. A banda de música atrás, com atores igualmente vestidos de alegria. Tocavam músicas cantantes e conhecidas, entre modinhas de carnaval e populares. A caminhada, que era rápida, passou a ser praticamente uma corrida, e a alegria do grupo e da música envolveu o público, que nessa altura era uma pequena multidão que se acotovelava nas ruas estreitas da cidade histórica, felizmente plana.

Os intrépidos atores circenses faziam hábeis malabarismos, corriam, saltavam, dançavam, dobravam as pernas-de-pau à altura da cabeça e levantavam acima dos seus braços estendidos para cima, uma das moças, também de perna-de-pau. Loucura total! A carregavam como a um andor, e, ao ritmo e em conjunto a depositavam delicadamente no chão.  Também seus filhos foram içados. A empolgação do grupo invadia os presentes, que, sem saber exatamente como, estavam magnetizados por tudo, energia, música e euforia, coisa incompreensível para quem acaba de chegar. Os que ouviram a música em casa, foram atraídos por ela, saíam à varanda, à porta ou lá no alto, esticavam pescoço, braços e mãos, capturados pela situação, sendo impelidos para a rua. O contágio da alegria atuava como cachaça. Paraty é, sim, sinônima de cachaça.

Quem acompanhava, corria e dançava, escancarando um riso rasgado de felicidade. O som dos instrumentos e o magnetismo dos participantes hipnotizaram os presentes, que extasiados, seguiram o grupo por quase duas horas, sem avaliar tempo, nem cansaço. Depois do circuito pelas ruas, voltaram para a praça, onde uma grande corrente humana, de mãos dadas, deu um abraço nela. A brincadeira seguiu-se por mais alguns minutos, com integração dos dois grupos, platéia e elenco. Atados pelas mãos, altos e baixos, adultos e crianças rodopiaram na praça num grande caracol.

 

“E para o meu desencanto, o que era doce acabou, tudo tomou seu lugar, depois que a banda passou.”

 

O nível da atração Carroça Mamulengo é de primeira grandeza, sendo facilmente alçado ao patamar de clímax de toda a festa. A perícia dos jovens artistas é alimento para o espírito, e tal instante de felicidade é o melhor convite para uma volta.

_________________________________

 
Paraty 2015 147____________________________

* Contato: yanmar@terra.com.br