Canto peregrino à jerusalém celeste* | Abílio Pacheco**

bet

 

à lembrança ou reminiscência

como em “sonho imaginado”

sentimos mais branda a saudade

e estes instantes felizes

são como estar em sião

 

mas, se despertos e atentos

nos vemos, então, cercados

de tantos novos edomitas,

cuidai, Senhor, que eles

um dia se reconheçam

também em estranha terra

 

 

 

a caminho da jerusalém celeste aprendo,

enquanto lento trilho em rastros aos pés

a via abraâmica de tão remotos irmãos,

narrativas elevadas de ancestres patriarcas,

moldes de vivência de nossas tribos primevas

 

 

sade

 

a caminho da jerusalém celeste rezo

bendita eleita entre as mulheres,

madre de arcanos, de graça e de luz,

madre mia, de cristo e de todos,

 

abençoada filha da casa de david,

guia de meus sempre vossos passos,

que meu ânimo de seguir não esmoreça,

antes, nas alvoradas, flame em primo amor.

 

 

entrega

 

quão grato e ditoso hei de ser

por não me esquecer de ti,

por não dar à cerviz

a vãs danosas atitudes

e por sempre te manter

no primor de meus afetos

 

quão grato e ditoso hei de ser

tendo – dos grãos senhores

sabentes – as devidas escusas

por algum verso mal tecido,

por alguma palavra mal posta

neste meu tão leigo intento.

 

_____________________________

* Poemas extraídos de Canto peregrino à jerusalém celeste, Abílio Pacheco. Belém: LiteraCidade, 2013.

 ** Abílio Pacheco nasceu em Juazeiro (BA), viveu a primeira infância em Coroatá (MA), dos 07 aos 27 morou em Marabé, e hoje reside em Belém (PA). Em Marabá, fez a maior parte dos estudos: na Escola Estadual Dr. Gaspar Vianna estudou da 5ª série ao 3º ano de Magistério; cursou Eletricidade no SENAI e Letras na UFPa. Durante a graduação teve Bolsa de Monitoria e depois de Iniciação Científica, ambas em Teoria Literária. Trabalhou como eletricista. Foi auxiliar de biblioteca ligado a Casa da Cultura por 5 anos. Escreveu para os Jornais O Correio do Tocantins e Opinião. Em Belém, fez Mestrado em Letras – Estudos Literários (UFPa). Integrou o GP Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros (CEFET-PA). Atualmente é professor de Literatura na UFPA, Campus de Bragança, e cursa o doutorado em Teoria e História Literária na UNICAMP. Juntamente com a Profª Drª Tânia Sarmento-Pantoja coordena o grupo de pesquisas Estudos sobre Narrativa de Resistência (NARRARES), é membro dos GPs Estéticas, Performances e Hibridismo (ESPERHI) e Laboratório de Estudos e Pesquisas da Contemporaneidade (LEPCON) da UFABC. Publicou Poemia (poesia) em formato semiartesanal em 1998; Mosaico Primevo (poesia) em 2008; Riscos no Barro (ensaios literários) em 2009; Em Despropósito (mixórdia) (romance) sai em 2013 pela Editora LiteraCidade. É membro correspondente da Academia de Letras do Sul e Sudeste Paraense com sede em Marabá, Cônsul dos Poetas Del Mundo para o Estado do Pará, Embaixador da Paz pelo Cercle Universal des Ambassadeurs de la Pax (Genebra-Suíça) e faz parte da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores (AVSPE). Também escreve contos e publica crônicas regularmente em seu site: www.abiliopacheco.com.br.