Revisitando Patricia Tenório* – Agosto, 2013

Nesta edição, revisitamos “O Grito”, de Abril de 2012.

Link Permanente: http://www.patriciatenorio.com.br/?p=3514

 

O Grito** 

 

No começo foi o grito.

Anésia Pacheco e Chaves

 

            Acendo o abajur e a lâmpada queimada não ajuda a chegar ao banheiro, lavar o rosto, olhar no espelho quebrado.

            Me olhar no espelho quebrado.

            Crescem rugas no meu rosto estranho. Não pertenço a este lugar? Desde ontem vejo coisas, sinto coisas e não sei o que dizer.

            – Aceita este homem…

            Bebo um café bem forte. Tão forte o café que a garganta arrepia as amídalas, desperta as papilas.

            – … na saúde e na doença…

            Tomo um banho demorado. Faço espuma com o sabão, ensaboo o corpo inteiro à procura de mim mesma.

            – … respeitando-se…

            Que sorte ser feriado! Não preciso levar as crianças ao colégio, a roupa na lavanderia, o cachorro para passear…

            – … como seu futuro ex-marido?

            Carlos veio ontem visitar as crianças com os papéis do divórcio. Devo ler com calma, assinar com calma, consultar com calma o advogado. O advogado, olhos cor do céu.

            Um novo céu.

            Um novo dia.

           Acompanho os alunos na visita ao museu. Pedro é o maior de todos. Pedro, com seus nove anos e a cadeira de rodas.

           – Tenho superpoderes, professora!

           – Sim, temos todos superpoderes, Pedro. Você, na cadeira de rodas, pode chegar mais rápido. O Flávio, com os óculos, enxerga melhor. A Alice, o aparelho nos dentes… tão afiados os dentes da Alice. Mas não temos, nenhum de nós, o poder de desaparecer e aparecer em outro lugar… Por isso, meninos e meninas, eu na frente, porque somente eu sei o caminho!

          O caminho diferente hoje, no museu de sempre. Os quadros de sempre e ninguém me avisou, que, no meio da exposição de Gauguin, e Van Gogh, e Tarsila do Amaral, lá estava ele, impávido, silencioso, tão silencioso como sua morte certa, como se me contasse algum segredo vindo do caixão.

           – Desculpe, professora, esquecemos de avisar que esta área está reservada ao velório do Doutor Muniz.

            Não quero saber do segurança, dos quadros, dos alunos, só o morto me interessa, só o morto atravessa a sala enorme sem jardins. Por que nem os girassóis, nem a pergunta de onde somos, mas para onde iremos, Sr. Muniz? O senhor agora sabe, o senhor agora entende como tudo aconteceu. Como Carlos me deixou. Como Carlos deixou de me amar amando outra, ou será que amou outra para deixar de me amar?

            – São tão estranhos, os mortos…

            São tão estranhos, os homens… E ali me aquietei. Ao lado da viúva. (A amante?) Da filha. (Uma bastarda?) O caixão. Um homem de bigode e barbas brancas. Ele não olhava para mim. Não olhava mais ninguém. Mas, se eu me abaixasse, se por um instante escutasse, sairia o que dos seus pulmões?

            – No começo foi o grito.

            Lembro aqui, sentada, parada, com os alunos pulando ao meu redor, o segurança falando ao meu redor, que ouvi aquela frase, eu li aquela frase, no começo foi o grito, em alguma exposição. Mas o que importa agora? A arte, os artistas, os alunos, se o Sr. Muniz está morto?

            – Não conheço o Sr. Muniz.

            E a viúva (amante?), a filha (bastarda?) seguraram a minha mão. Aqueceram a minha mão como se ao defunto aquecessem, como se ao defunto quisessem fazer ressurgir e descobrir o que há do outro lado.

           – Ele é mais feliz agora.

           Saberá de tudo agora? Com a viúva e a filha em minhas mãos? Que eu traí Carlos primeiro, com o carteiro, o padeiro, o açougueiro, a amiga da sua prima. Com a prima também?

           – Era um homem muito justo.

           E a justiça, Sr. Muniz? A quem se aplicaria, a quem se gritaria pedindo o perdão?

O Grito, Edvard Munch

Óleo sobre Tela, Têmpera e Pastel, 1893

Galeria Nacional, Oslo

____________________

* O Grito recebeu Menção Honrosa em Março de 2012 na Categoria Contos do Concurso Literário da UBE-Canoas, RS e foi publicado pelo site Interpoética (www.interpoetica.com) em 07/04/12.