Leitura de Imagens | Turma de Pós-Graduação em Letras 2012 – UFPE | Prof. Maria do Carmo Nino*

 

Os espelhos são usados para ver o rosto; a arte para ver a alma.

George Bernard Shaw

 

De Março a Junho de 2012 tive o privilégio de participar como ouvinte da turma de Leitura de Imagens da Prof. Dra. Maria do Carmo Nino no curso de Mestrado em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

Foram tardes de quintas-feiras inesquecíveis, onde trabalhamos o olhar, a apreensão das imagens, traduzindo-as em significado e sentido para as nossas vidas. Guiados por mestres como John Berger, Lucia Santaella, C.S. Peirce, Winfried Nöth… e artistas das mais diversas áreas (Artes Plásticas, Literatura, Cinema, Fotografia…) e épocas, 18 alunos foram orientados e despertados pela Prof. a extrair de si a Arte que habita em cada um de nós.

Sou do pensamento que o artista deve possuir o talento, a inspiração e o estudo (ver  http://www.patriciatenorio.com.br/?p=3145). O estudo constante, persistente, insistente para que a sua Arte floresça, cresça e dê bons frutos. Agradeço a Prof. Maria do Carmo e a todos os meus colegas que me acolheram e me ajudaram a ser, antes de tudo, uma pessoa maior e melhor após esta experiência.

A minha homenagem e gratidão vai em forma do último exercício demandado. A partir de uma obra de arte visual criada pelo próprio aluno, fazer um diálogo com alguma poesia (sua ou de outro autor) e refletir à luz de Lúcia Santaella e Winfried Nöth, no livro estudado Imagem: cognição, semiótica, mídia, São Paulo: Iluminuras, 2010.

Apresento a vocês, “Leitura de Imagens”.

Um grande abraço da

Patricia Tenório.

 

__________________________

Amaro Braga

axbraga@gmail.com

 

 

Tédio
Charles Baudelaire

Tenho as recordações d’um velho milenário!

Um grande contador, um prodigioso armário,
Cheinho, a abarrotar, de cartas memoriais,
Bilhetinhos de amor, recibos, madrigais,
Mais segredos não tem do que eu na mente abrigo.
Meu cérebro faz lembrar descomunal jazigo;
Nem a vala comum encerra tanto morto!

— Eu sou um cemitério estranho, sem conforto,
Onde vermes aos mil — remorsos doloridos,
Atacam de preferência os meus mortos queridos.
Eu sou um toucador, com rosas desbotadas,
Onde jazem no chão as modas desprezadas,
E onde, sós, tristemente, os quadros de Boucher
Fluem o doce olor d’um frasco de Gellé.

Nada pode igualar os dias tormentosos
Em que, sob a pressão de invernos rigorosos,
O Tédio, fruto infeliz da incuriosidade,
Alcança as proporções da Imortalidade.

— Desde hoje, não és mais, ó matéria vivente,
Do que granito envolto em terror inconsciente.
A emergir d’um Saarah movediço, brumoso!
Velha esfinge que dorme um sono misterioso,
Esquecida, ignorada, e cuja face fria
Só brilha quando o Sol dá a boa-noite ao dia!

 

__________________________

Cláudio Clésio

cleciopegasus@yahoo.com.br

 

Tema de Marluce

 

De Jose Luis Paredis ou Cláudio Eufrausino?

 

Marluce conversa com a fé

Como o horizonte conversa com o farol

Quando ela ri, começo a sonhar

Quando ela fala, eu tenho em quem acreditar

 

Na luz do Mar, Marluce

Na luz do Céu, céu-luce

Com ela, a luz da lua é tão forte quanto a luz solar

 

Se rio com Marluce,

Se choro com Marluce,

Com ela, vejo-sinto sempre meu olhar brilhar

 

httpv://www.youtube.com/watch?v=xzFvMBa9H2M

 

__________________________

 

Felipe Ferreira

fffotografia@gmail.com

 

Como diria Odair

Zeca Baleiro 

A felicidade é uma coisa tão difícil
Tão difícil de conseguir
Mas de vez em quando ela chega
Quando menos se espera
Quando nada se espera
Ela vem
E fica um pouco aqui comigo
Por algumas horas, minutos, segundos

Como já falou o sábio poeta Odair
Ouve aí:
Felicidade não existe, só momentos felizes
No mais são cruzes e crises

Sempre que eu tô feliz
Logo vem um infeliz
Se fingindo de amigo
Querendo apagar o meu sorriso
Que é o mais próximo do paraíso que eu consigo

Quando menos se espera
Quando nada se espera
Ela vem, vai, vem, vai, vem, vai, vem, vai
Vem, vai, vem, vai, vem, vai, vem, vai…

__________________________

Hugo Santos

hugotsan@hotmail.com

 

A prosa impúrpura do Caicó

Chico César

 

Ah! Caicó arcaico
Em meu peito catolaico
Tudo é descrença e fé

Ah! Caicó arcaico
Meu cashcouer mallarmaico
Tudo rejeita e quer

É com, é sem
Milhão e vintém
Todo mundo e ninguém
Pé de xique-xique, pé de flor

Relabucho, velório
Videogame, oratório
High-cult, simplório
Amor sem fim, desamor

Sexo no-iê, Oxente,

oh! Shit, Cego Aderaldo

 olhando pra mim
Moonwalkmam

__________________________

 

Jacinto dos Santos

jacintodossantos@gmail.com

 

Num tempo de chuva

Jacinto dos Santos

26/05/12

 

Pinto com meus olhos meu retrato

E faço com o pincel

Gota a gota uma manhã.

Como a chuva que corre inundando

De cores minha fugaz existência,

Corro ao encontro dos campos nublados

Buscando um pedaço perdido

Duma natureza.

Encharcada minha alma de mim mesmo,

Tremulo.

Minha garganta rasga num grito

A secura cinza e ampla de uma história vaporosa

Que despenca sobre o verde

De uma primavera esquecida do vermelho, do amarelo de uma flor.

Tudo, num átimo, esvoaça-se num horizonte

Perdido na linha da memória volátil.

 

__________________________ 

 

Vinícius Gomes

niciusmatrix@gmail.com

 

Nascemorre

Haroldo de Campos 

__________________________

 

Wanessa Loyo

wanessaloyo@hotmail.com

 

 

Barcos

Sophia de Mello Breyner Andersen

 

Dormem na praia os barcos pescadores
Imóveis mas abrindo
Os seus olhos de estátua

__________________________

* Maria do Carmo Nino possui graduação em Arquitetura pela Universidade Federal de Pernambuco (1980) e doutorado em Doctorat en Arts Plastiques et Sciences de Art – Université Paris 1 (Panthéon-Sorbonne) (1995). Atualmente é professora adjunta da Universidade Federal de Pernambuco. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Fotografia, atuando principalmente nos seguintes temas: arte contemporânea, fotografia, história da arte e crítica de arte, cinema e literatura. Contato: carmonino@gmail.com