Das flores no meu jardim

Patricia Tenório

16/05/2011

            Em homenagem a Paulo Freire

 

            Começou a digitar no tempo em que aprendeu a ler.

            Juntar letras na máquina, o mesmo que na memória. E a imaginação corria em busca da imagem para cada letra e cada letra vestia toda uma história de si.

            Clara não desistiu quando percebeu que, no teclado da máquina, as letras meio apagadas, meio escritas: lembrou-se que lembraria delas ao digitar. Nem mesmo se lembrando, até se esquecendo, foi no esquecimento que viajou distâncias e conheceu um mundo inteiro.

            Mundo de letras e lugares e as letras se misturavam em palavras e as palavras cheiravam a jasmim.

____________________________