Poema de Altair Martins*

59. UM EPISÓDIO DE CULPA

Fui um vulto no ar que a noite

bafeja.

Me despaço no que fiz

e no que hoje trago

de tudo que esteve sob o foco

de uma câmera fotográfica.

Um cão guarda um carro de compras

de supermercado

e que agora tem dono: um morador das ruas.

O cão tem uma dignidade

à altura do pão e do carinho.

Mas sente frio

e no momento não late.

O morador de ruas, também.

A noite fez casa em mim

como essas coisas de dentro do corpo:

veias, músculos, gordura e dores,

Porto Alegre e um cheiro

de rio encalhado na praia.

Meus dedos não têm dedos

(ao contrário do meu rosto

que tem outro rosto

quando olho).

Sou fraco.

O cão se estica mais que as luzes

e mostra interesse

por tudo o que desprezamos.

O cão descobre a cidade,

e só depois a falta de vento

vem cobrir de cansaço e de borracha

o que restar da avenida.

O cão tem cheiro de trabalho.

O morador de ruas nasceu sem nome.

Fui um vulto no ar que parte

da noite.

Me confisco no que escrevo

e agora risco

sob a mira clandestina

desse episódio que escorre.

_________________________________________

AUDIO-2021-07-06-19-35-02 – Altair

_________________________________________

Fotografia: Santiago Martins

* Altair Martins (Porto Alegre, 1975). Bacharel em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) — ênfase em tradução de língua francesa —, mestre e doutor em Literatura Brasileira na mesma universidade. Ministrou a disciplina de Conto no curso superior de Formação de Escritores da UNISINOS entre 2007 e 2010. É professor da Faculdade de Letras e de Escrita Criativa da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), atuando no Programa de Pós-graduação. Coordena o projeto de pesquisa O fantástico em tradução. Tem textos publicados em Portugal, na Itália, França, Argentina, no Uruguai, na Espanha, Hungria, em Luxemburgo e nos Estados Unidos. Ganhou, entre outros prêmios, o São Paulo de Literatura (2009, com o romance A parede no escuro) e o Moacyr Scliar (2012, com os contos do Enquanto água). A peça teatral Hospital-Bazar (Porto Alegre: EdiPucrs, 2019), o romance Os donos do inverno (Porto Alegre: Não editora, 2019) e Labirinto com linha de pesca (Porto Alegre: Diadorim Editora, 2021) são suas últimas publicações. Ministrante, desde 2019, da disciplina Oficina de Poesia na especialização Lato Sensu em Escrita Criativa Unicap/PUCRS. Contatos: altairt.martins@pucrs.br; www.altairmartins.com.br