Posts com

Índex* – Maio, 2018

De Arabella

Se aproxima

O fim da sua estória

O fim da narração 

Em terceira pessoa 

Que ficcionaliza

A vida do autor

*

A morte do autor

Está em cada linha

Está em cada palavra

Contada

Narrada

Derramada

Na tela do computador 

Nas letras do teclado

Que protegem o eu

Do outro

E permitem imaginar

E concedem aproximar

O fim de uma estória 

À bordo de um avião

 

(“Arabella em apuro”, Patricia Gonçalves Tenório, 10/11/2017, 06h50)

 

Uma jornada pela Escrita Criativa no Índex de Maio, 2018 do blog de Patricia Gonçalves Tenório.

Estudos em Escrita Criativa – Maio, 2018 | Recife e Porto Alegre | Patricia Gonçalves Tenório (PE – Brasil) & convidados.

Uma leitura criativa | Alexandra Lopes da Cunha (DF/RS – Brasil).

O café | Cilene Santos (PE – Brasil).

Um poema criativo | Elba Lins (PB/PE – Brasil).

“BIUTFUL” (de Alejandro González Iñarritu) | por Flávia Suassuna (PE – Brasil).

Um conto heróico | Gustavo Melo Czekster (RS – Brasil).

Agradeço a atenção e o carinho, a próxima postagem será em 25 de Junho de 2018, grande abraço e até lá,

 

Patricia Gonçalves Tenório.

____________________________________________

Index* – May, 2018 

From Arabella

Gets closer

The end of her story

The end of the narration

In third person

That fictionalizes

The life of the author

*

The author’s death

It’s on every line

It’s in every word

Told

Narrated

Spilled

On the computer screen

In the letters of the keyboard

Which protects the self

From the other

And the letters let imagine

And the letters grant get closer

The end of a story

Aboard an airplane

(“Arabella in style”, Patricia Gonçalves Tenório, 11/10/2017, 06:50 a.m.)

 

A journey through Creative Writing in the Index of May, 2018 of the blog of Patricia Gonçalves Tenório.

Studies in Creative Writing – May, 2018 | Recife and Porto Alegre | Patricia Gonçalves Tenório (PE – Brasil) & guests.

A creative reading | Alexandra Lopes da Cunha (DF/RS – Brasil).

The coffee | Cilene Santos (PE – Brasil).

A creative poem | Elba Lins (PB/PE – Brasil).

“BIUTFUL” (by Alejandro González Iñarritu) | by Flávia Suassuna (PE – Brasil).

A Heroic Tale | Gustavo Melo Czekster (RS – Brasil).

Thanks for the attention and the affection, the next post will be on June 25, 2018, big hug and until then,

 

Patricia Gonçalves Tenório.

____________________________________________

IMG_6661

**

____________________________________________

* Índex foi traduzido (a maior parte) apenas para o inglês por uma questão de extensão do post.

* Index was translated (most of it) into English only as a matter of the extension of the post.

** A Escrita Criativa por um país mais respirável. Creative Writhing for a more breathable country.

Estudos em Escrita Criativa – Maio, 2018 | Recife e Porto Alegre

O mês de maio dos Estudos em Escrita Criativa nos presenteou com textos belíssimos de nossos participantes e depoimentos enriquecedores dos escritores convidados – Fátima Quintas em Recife no dia 12, Débora Ferraz e Tiago Germano em Porto Alegre no dia 16.

Sob a temática da viagem, navegamos por Camões, Michel Onfray, Joseph Campbell, Christopher Vogler, Maureen Murdock, Alessandro Baricco, Adriana Lisboa. À luz da Teoria investigamos a Ficção, iluminamos a Poesia e extraímos técnicas dos autores para o nosso fazer artístico.

Apresentamos abaixo, textos escritos na parte prática dos nossos encontros, alguns dos quais serão levados para o Congresso Internacional da Abralic (Associação Brasileira de Literatura Comparada) 2018 que acontecerá final de julho, início de agosto em Uberlândia, Minas Gerais.

Com vocês, os textos dos nossos Estudos em Escrita Criativa – Maio, 2018.

Grande abraço e boa leitura,

 

Patricia Gonçalves Tenório.

 

_______________________________________________

 

A JORNADA DE UMA VIDA

Bernadete Bruto

Contato: bernadete.bruto@gmail.com

Recife, 12/05/2018

 

Saiu de casa em direção à rua. Não sabia direito o que aconteceria. Saiu às pressas, na correria da vida e se encontrou em pleno caos da rua. Foi assim mesmo, entrando nos lugares, batendo de porta em porta, pedindo permissão para entrar.

Fez isso para ter uma voz no mundo e redescobrir a vida. A princípio não entendeu bem aquele mundo, além do famíliar, julgando os outros, se desentendendo em alguns momentos, até que, no meio do caminho, olha no espelho e descobre que todas as possibilidades e impossibilidades estavam ali mesmo, dentro de si e não no outro. O outro era apenas o espelho, o mentor, lhe apontando um caminho de pedras e flores, assim como é a vida comum.

Tomou a própria voz, no devido tempo e retornou para a casa dos sonhos, deixando um espaço também para o outro se expressar, da mesma forma que sempre desejou ter no mundo, no devido tempo, uma voz.

Hoje, olhando para trás, vê a jornada como uma viagem que sempre vale a pena, quando a gente compreende a vida e descobre que a alma coletiva nunca é pequena.

 

 

A viagem

Cilene Santos

Contato: cilenecaruaru2013@gmail.com

Recife, 12/05/2018

 

Debrucei-me nas muralhas do tempo.

Um cheiro de mato

Me levou à infância.

Agora sou uma menina.

Os amigos viajam comigo.

E brincamos.

O anel escondido entre as mãos.

“Onde está o anel?”

“Quem advinha?”

Agora é a sua vez.

Ah! Eu quero brincar de academia (amarelinha).

“Eu primeiro!”

A mãe chama,

“Hora de entrar!”

A voz da mãe se mistura com os protestos.

Na sala, a avó conta histórias de Trancoso.

Arrepios, medo de assombração.

O barulho do vento.

Comadre Fulozinha.

Histórias de rei e de rainhas

Que moram dentro das pedras.

Ouço uma campanhia.

É o tempo me chamando à realidade.

Fim da viagem.

 

À MULHER SECULAR QUE EXISTE EM TODAS NÓS…

Elba Lins

Contato: elbalins@gmail.com

Recife, 12/05/2018

 

Forte!

Independente!

Desafiadora!

Inquieta!

Valente!

Ousada!

Dona da verdade.

De repente olha para trás…

Onde está sua luz?

Transita por todos os espaços,

Conversa com todos os amigos

Mas não se encontra…

Não vê o foco de luz

Que criou sua história.

Pára…

Mergulha no silêncio,

Cala as palavras,

Reduz o desejo,

Sente o medo.

Vai ainda mais fundo

Respira!

Expira…

Inspira…

Expira…

Inspira…

Se inspira.

E na calma das horas

Que escorrem lentas

Encontra a luz

Ela é macia

Serena

Frágil

Depende do oxigênio

De sua respiração

Pausada

Ela é quieta

Doce

Da cor do feminino

Que lhe conduz ao futuro.

 

Eliane Mascarenhas

Contato: elimasc@uol.com.br

Recife, 12/05/2018

 

Por muitos lugares andei, por muitos mundos viajei. Vi pessoas de pele clara, pele escura, dentes perfeitos, e bocas desdentadas. Pessoas que choravam e que riam, que louvavam e satanizavam.

Quantas paisagens maravilhosas, e quantos lugares sombrios. Em uns o sol brilhando e aquecendo, em outros a chuva, as nevascas, e as tempestades.

Quantas risadas, e quantos lamentos, em bares, esquinas, campos e praças.

Aqui, frio e fome; ali, abundância e satisfação.

Ora norte, ora sul, ora leste, ora oeste.

Vôos intermináveis para chegar ali, poucos passos para chegar aqui.

E línguas. Quantas línguas a falarem idiomas ora tão claros, ora tão ininteligíveis.

Esta poderia ser a descrição de uma longa viagem ao redor do mundo: Japão, França, Brasil, Conchinchina. Mas, na verdade, é uma viagem para dentro de um mundo que ninguém mais pode percorrer, a não ser nós mesmos.

É o nosso mundo interior, a nossa individualidade, o nosso eu, o nosso planeta íntimo. Tão igual a tudo que há na terra, e tão surpreendentemente único.

 

Jornada ao parque

Rackel Quintas

Contato: rackelquintas@gmail.com

Recife, 12/05/2018

 

Antes de mim, vieram três irmãs.
Mas eu era, também, a terceira;
Meio morte, meio dor,
no som dos meus treze anos.
Sonhava com a mãe –
aquela que paria e nutria crias no quintal –
E com casa: colunas, cama, banho, aconchego.
Depois, sonhava com tropas de bonecos
Entoando gritos de guerra.
Vez em quando, um homem visitava minha casa.
Era um pouco surdo, mas ria bastante.
Me trazia um pedaço de raiva;
aquela alegria exaltada agitava o sonho.
E eu permanecia inerte.
Certo dia, o visitante chamou-me ao parque.
Mas era longe do feijão,
Longe da mesa,
Longe da porta.
Lá haviam gritos,
barulhos agudos de felicidade
E um som salgado do mar em ondas calmas.
Sentei, calei, espantada.
Andei os primeiros passos, e depois mais rápido,
Senti meus braços e pernas desordenados
Até que a calçada ficou maior que meus pés.
E caí. Doeu. Sangrei.
Segurei as pontas dos dedos nuns apertos constantes.
E percebi que o homem ria.
Enraiveci. De medo.
Gritei, bati as mãos na areia.
O homem se aproximou,
beijou minha testa
Ergueu-me nos braços
e jogou-me corpo-ao-vento.
Voei.
Senti um balão de ar no meu peito,
E misturando ódio e medo,
Gritei desafinada
em gargalhada.
Mas era longe do feijão,
Longe da mesa,
Longe da porta.
Perto de todo o vento no rosto e nos cabelos,

iguais aos da minha mãe.

E voltei, naquele dia,
meio morte, meio dor,
Passando calçadas, pessoas, planos,
No entanto, dessa vez, sonhando:
jardineiro ou pescador?
Ao dom dos meus treze anos.

 

 

ATACAMA

Adriano B. Cracco

Contato: acracco@gmail.com

Porto Alegre, 16/05/2018

 

O desafio era grande

Cruzar o Atacama sempre foi um sonho deles

Ou, pelo menos, até então

Percorrer outros países, outras províncias, outras culturas

O que mais podiam esperar senão o inesperado?

Levar apenas as roupas que lhes cabiam na mala

Um punhado de objetos que lhes poderiam ser úteis

Mera precaução

Diria até pretenciosa

Planos feitos, dia claro, estrada adiante

Jornada iniciada

Do cansaço à tranquilidade

Da fome à raiva

Da surpresa ao medo

Tudo transcorria numa flexível rigidez

Saindo do prumo

Equilibrando emoções

E (quase) tudo que vai, volta

E eles voltaram

Querendo abraçar o mundo que partilharam

E nessa volta traziam também

O lógico desejo

De uma nova aventura

 

 

Gabriel Nascimento

Contato: gsabritto@yahoo.com.br

Porto Alegre, 16/05/2018

 

Estou fora de forma. Há anos não preciso arrumar malas. Vejo meu pai desgostoso com meu método de dobrar cuecas. Quase recusei a viagem, mas os argumentos de minha mãe foram…persuasivos: “Quem recusa Réveillon em Torres?”. Os decibéis ainda vibram nos ouvidos. Faltam 20 minutos até irmos à rodoviária. Fecho a mala, desistindo de dobrar mais a camisa. Sei que não é permanente, mas sinto como se estivesse no primeiro dia de aula, quando não entendia a inconstância das coisas. Vou à praia. Vou à praia. A ansiedade toma conta quando a ficha cai, mas não que nem antes. Há um sabor diferente, mais…suave. A ansiedade aumenta com as batidas na porta. Minha mão sufoca a alça da mala.

 

Em pelos de águia

Gabriela Guaragna

Contato: gabi_guaragna@hotmail.com

Porto Alegre, 16/05/2018

 

Passou pelo portão de embarque, segurando firme entre os dedos a passagem, a borrachinha de cabelo e a carteira de identidade. Ganhou tempo na espera. Descalçou-se. Tirou o cinto que segurava a respiração. Os pertences no raio-x; ela no detector de metais. Detectores metais?

Cruzou o saguão a sós. Pela primeira vez, desacompanhada. Como se estivesse morta, aguardava a própria aterrissagem em si. Segurava firme entre os dedos a passagem, a borrachinha de cabelo, a identidade, o suor. Havia um mar inteiro escorrendo entre os dedos. Tinha medo. De perder a prisão dos cabelos e das respirações. Segurava-se firme, com medo de esquecer-se ao adentrar a águia mecânica.

Lá de cima, viu o sol pintar o infinito de laranja. Foi com o ele se pondo sob as nuvens que ela se pôs junto. Com ele, encontrou a passagem, soltou a identidade, tornou-se águia. Voou.

________________________________________

Turmas de Maio, 2018 dos Estudos em Escrita Criativa – Recife e Porto Alegre:

 

IMG_7869

IMG_7874

Próximos encontros:

Cartaz A3

Estudos em Escrita Criativa - Porto Alegre

Uma leitura criativa* | Alexandra Lopes da Cunha**

IMG_7890

IMG_7891

_________________________________________

* Trecho lido por Alexandra Lopes da Cunha no II Encontro dos Estudos em Escrita Criativa de Porto Alegre, temática A viagem, em 16/05/2018.

** Alexandra Lopes da Cunha (Brasília/DF, 1970) é formada em Administração de Empresas com mestrado na mesma área pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS. Autora de Amor e outros desastres (2012), finalista do Prêmio AGES, na categoria Narrativas Curtas no mesmo ano, Vermelho-goiaba, vencedor do concurso IEL 60 anos em 2013 na categoria Contos Autor Estreante, Bífida e outros poemas (2016) e Demorei a gostar de Elis (2017), vencedor do Prêmio Pavão de Romance da Editora Kazuá (SP) e finalista do Prêmio Açorianos 2018, categoria romance. Doutoranda em Escrita Criativa pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Contato: alexcunham@gmail.com

O café* | Cilene Santos**

E mãe Terezinha botava a lenha no fogão.

Na trempe, já se encontrava o tacho,

Cheio do açúcar preto,

Onde eram  jogados os grãos maduros do café.

Com o calor, aquela mistura borbulhava

Como se bolinhas de sabão fossem.

Vez ou outra, a avó mexia

Com uma colher de pau,

O que parecia um doce de café.

Até formar uma calda homogênea.

Estava dado o ponto.

O café era colocado na pedra

Para esfriar

Dali ia para o pilão,

Onde era massacrado até virar um pó fininho.

Pronto! Estava pronto o café.

Era só jogar na água fervente

E saborear ao redor do fogão a lenha,

Acompanhado do bolo de milho, ainda morno,

Feito pelas tias.

Aquele era momento solene.

Celebravam-se o trabalho e a união.

Pai Tonho aproveitava para contar

As histórias do seu dia a dia.

E exagerava ao falar dos seus feitos

Na lida com os animais.

As crianças riam e acreditavam.

Os adultos olhavam-no de soslaio.

Foram bons os meus tempos de menina.

 

___________________________________

* Texto lido por Cilene Santos no III Encontro dos Estudos em Escrita Criativa de Recife, temática A viagem, em 12/05/2018.

** Cilene Santos é professora aposentada e grande poetisa. Contato: cilenecaruaru2013@gmail.com

Um poema criativo* | Elba Lins**

“Com pedaços de mim

eu monto um ser atônito”

Manoel de Barros

Poesias Completas (Livro sobre o nada) Pág. 313

 

 

Com pedaços de mim

Eu monto um ser atônito

Que se espanta

Com os pedaços que sobem ao céu

Enquanto outros se enveredam pelo sombrio.

O azul da alma se mistura

Com o vermelho das emoções

Turbilhões

Que se espalham

Que se misturam

Que se afastam de mim

Círculos concêntricos a espalhar

Dor

Amor

Paixão

Pelo mundo

Até não restar mais nada em mim

E eu ser de novo

Azul

Meu inferno é querer ser teu céu

Quando existe um tão dentro de mim

É querer viver tuas emoções

Quando já não me sustento de tantas

Sou eu

Sou tantos

Pedaços

Que juntos

Me deixam atônita

Assustada com o que posso ser

Assombrada com o que quero tentar

Inteira, feita de mosaicos

Que tentam se adequar

Ao que penso ser eu

Tão diferente do que realmente sou.

 

(QUEBRA-CABEÇA, ELBA LINS, 16.05.2018, Lendo Manoel de Barros)

 

________________________________

* Poema inspirado no III Encontro em Escrita Criativa de Recife, temática A viagem, em 12/05/2018, com as escritoras Patricia Gonçalves Tenório e Fátima Quintas.

** Elba Santa Cruz Lins (Monteiro/PB, 1957) é formada em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal de Pernambuco (1979), fez MBA em Gestão de Negócios (EAD) pela PUC-PR. Trabalhou durante 34 anos na área de Telecomunicações da CHESF (Companhia Hidroelétrica do São Francisco). Atualmente aposentada, dedica-se à escrita. Fez curso de Contação de Histórias no Zumbaiar (Recife). Faz poesias e há dois anos participa dos Estudos em Escrita Criativa, sob a coordenação de Patricia Gonçalves Tenório. Contato: elbalins@gmail.com

“BIUTIFUL” (de Alejandro González-Iñarritu)* | por Flávia Suassuna**

O filme “Biutiful”, de Iñarritu, é uma metáfora do humano; é a história de Uxbal, um homem que carrega todas as injunções de um homem – é bom e mau; erra e acerta; tem medos e coragens; ama e odeia; acredita e duvida; tem dons e faltas; sabe e ignora; explora e é explorado; tem culpas e perdões; é doce e violento; se comove com a injustiça e é um elo da corrente interminável de explorações do homem pelo homem; manda e desmanda; é amado e odiado; é forte e vulnerável; foi ceifado pela morte, como todos foram ou serão…

Uxbal é, portanto, uma metonímia – um homem que simboliza todos os outros no percurso da confusa existência material. Sua história se passa numa Barcelona estranha, talvez porque é uma outra e periférica cidade, não a que nos acostumamos a achar bonita ou digna de cartões postais: prédios decadentes, guindastes, apartamentos aos pedaços, entulhados de coisas velhas, ruas e calçadas esburacadas, moradores de rua, camelôs… fazem do cenário uma favela, palavra que resume, mais ou menos, aquela tragédia social. Logo nas primeiras cenas, somos informados de que Uxbal tem câncer e apenas dois meses de vida. E a narrativa é o retrato de seu desespero para ajeitar tudo antes de partir. Ele tem dois filhos, uma ex-esposa tão instável que não pode cuidar deles, um irmão que o trai e em cujos olhos nem consegue olhar e uma profissão que também é desestruturante: ele conecta duas pontas podres de atividades entre ilícitas e criminosas – entrega a imigrantes ilegais senegaleses CDs piratas e bolsas produzidas por imigrantes chineses também ilegais para serem vendidos nas calçadas, inicialmente, e, em seguida, agencia mão de obra escrava ou quase escrava (se é que se pode diferenciar os dois conceitos) para a construção civil. Tudo isso temperado com corrupção policial, uma pitada de tráfico de drogas e muita, muita injustiça. E muita, muita pobreza.

É claro que, na cegueira materialista em que vive, Uxbal pensa que juntar dinheiro é o que tem que ser feito, e suas ações nessa direção terminam por levá-lo ao fundo do pior abismo em que uma pessoa pode entrar. Sob o olhar atônito do espectador, o filme desenrola-se, de horror em horror, numa sequência crescente de conflitos, morte, assassinato, culminando num chacina inominável, perpetrada, direta ou indiretamente, por ele e que, por sua vez, se desdobra em mais e mais abjetas consequências. Acho que, de várias maneiras, “Biutiful” lembra “Coração das trevas”, de Joseph Conrad, e seu espelho, o filme “Apocalypse now”, de Francis Ford Coppola. “Coração das trevas” é o melhor livro de Conrad. Publicado entre o final do século XIX e o começo do século XX, é uma narrativa, ambientada na África, que denuncia o engodo do Neocolonialismo europeu. Marlow, o narrador, mergulha nos meandros da selva do Congo e nas perversões mais profundas do projeto de exploração colonial, passando do enaltecimento da cruzada civilizatória inglesa para a verificação dos objetivos meramente econômicos e de dominação imperialista: exploração de fraquezas, trabalhos forçados, coerção, opressão, massacre, escravidão, desumanização, ruptura de laços sociais, preconceito… numa narrativa, ao mesmo tempo, imperialista e anti-imperialista. “Apocalypse now”, de 1979, transporta esse enredo para a Guerra do Vietnã e troca os interesses coloniais pela luta pelo poder mundial. Menos sutil, Coppola descortina a vantagem do dominador e, portanto, a injustiça e a crueldade daquela invasão, que mudou para sempre nossas relações com as guerras.

Rio acima, as palavras de um ou as imagens do outro relatam uma cadeia de horrores, enganos, fraudes… A lentidão do relato é em si uma crueldade contra os leitores ou espectadores. Busca-se alguém que se degenerou em qualquer coisa, exceto um homem. Navegar, portanto, é como viajar no tempo e voltar ao selvagem que o ser humano já foi; é constatar a fragilidade da civilização…

Em “Biutiful”, as trevas transferem-se da periferia do mundo para o coração da Europa. Sem o rio, segue-se a trajetória do protagonista pelas ruas de uma cidade europeia – qualquer uma – onde ainda estão presentes os fantasmas do processo colonial, até porque eles estão dentro do homem, que os carrega consigo em todos os tempos e lugares. Um lugar no fundo da selva ou os subterrâneos de uma cidade, na verdade, é a própria natureza humana, e o percurso que se faz é de corajosa prospecção ontológica; daí certa identificação espelhar: os narradores se identificam com o abominável ou é possível entender as trevas, que são apenas sugeridas. A selvageria não pertence apenas aos selvagens, mas a todos. E reside no interior, no porão.

O espectador de “Biutiful” entende e até perdoa Uxbal, pois reconhece que talvez fizesse o mesmo se fosse colocado na mesma situação.

Essa complacência inclui até o fato de que o personagem não segue as orientações de sua mentora, ou seja, a contemporaneidade é surda aos apelos do espírito. E segue, bruta, na gratificação sem limites dos desejos individuais e materiais, nas palavras do próprio Conrad.

Nas três histórias, porém, há uma narração invisível, quase – encarar tudo isso, de resto, resulta em autoconhecimento e só se transforma… entende… perdoa… ultrapassa… vence… sei lá… o que se conhece…

Aquela última imagem branca de neve e biutiful, que dá nome ao filme, é como sair da caverna; das sombras; dos porões imundos; do coração das trevas, não exteriores, como diz a Bíblia, mas interiores; das prisões da matéria e, enfim, seguir, com os nossos, em direção à paz e ao riso, deixando para trás essa cilada labiríntica que é a estadia material.

________________________________

* Texto lido por Flávia Suassuna no III Encontro dos Estudos em Escrita Criativa de Recife, temática A viagem, em 12/05/2018.

** Flávia Suassuna é professora de literatura, escritora, mestre em teoria da literatura pela UFPE; autora de 6 livros – “Jogo de trevas” e “Remissão ao silêncio” (romances), “Trança, primeiro fio” (poesia), “Trança, segundo fio” (crônicas), “Trança, terceiro fio” (resenhas) e “Poesia em cena” (organização de poemas com comentários para uma antologia didática). Contato: flavia_suassuna@hotmail.com

Um conto heróico* | Gustavo Melo Czekster**

À moda de Xavier de Maistre

Porto Alegre, 16/05/2018

 

No meio da minha confortável cama (1), acordei. O despertador ainda não tinha tocado, podia ficar mais algum tempo. Mas o dia está recém no começo, um dia cheio de deliciosas aventuras (2), a me tentar longe da cama, e eu queria só dormir mais um pouco e… o despertador tocou: a aventura do cotidiano vai começar. Recuso-me a me levantar (3) – só mais uns 15 minutos, juro, depois levanto e corro para fechar os horários. Meu pai (4) entra no quarto: levanta, caro, tu vai te atrasar… Vamos, vamos, sai dessa cama, preguiçoso! Com muita dificuldade me levanto (5) e o frio da manhã de inverno me impele a voltar para cama, mas resisto: fico de pé e vou no banheiro. A água está fria, os dentes estão frios, a vida está fria (6): não quero sair. Vou ficar em casa. Mas, se eu não sair, a chance será perdida para sempre – sabe Deus o que pode me acontecer de bom hoje! Saio do quarto e vou até a cozinha (7) esquentar o leite, comer uma torrada, mas não tem leite, não tem pão (8), merda de vida (devia ter ficado na cama). A barriga ronca de fome. Vai ser uma manhã longa. Mas lembro que ontem comprei um pacote de bolachas recheadas e esqueci na mochila (9)! Estou salvo. Como a bolacha e espio o quarto (10). A cama parece tão convidativa… meu pai foi trabalhar, ele nunca saberá que fiquei em casa (11). Volto para cama, levando o pacote de bolachas junto: hoje eu me dou o dia de presente (12).

 

____________________________________

* Texto escrito em 15 minutos no II Encontro dos Estudos em Escrita Criativa de Porto Alegre, temática A viagem, em 16/05/2018 e generosamente cedido pelo autor. Gustavo Melo Czekster utilizou os doze estágios da Jornada do Herói, que por sua vez foram tomados emprestados de Joseph Campbell por Christopher Vogler em A jornada do escritor: estruturas míticas para escritores, e são: 1. Mundo comum; 2. Chamado à aventura; 3. Recusa do chamado; 4. Encontro com o mentor; 5. Travessia do primeiro limiar; 6. Testes, aliados, inimigos; 7. Aproximação da caverna oculta; 8. Provação; 9. Recompensa (Apanhando a espada); 10. Caminho de volta; 11. Ressurreição; 12. Retorno com o elixir.

** Gustavo Melo Czekster (Porto Alegre/RS, 1976) cursou a Oficina de Criação Literária de Luiz Antonio de Assis Brasil em 2000 e a de Léa Masina em 2001. É advogado, mestre em Literatura Comparada pela UFRGS, e doutorando em Escrita Criativa pela PUCRS. Em 2011, lançou o livro de contos O homem despedaçado (Dublinense) e em março de 2017, o livro de contos Não há amanhã (Zouk), vencedor do Prêmio Açorianos 2018, categoria contos. Contato: gusczekster@gmail.com