Posts com

JANEIRO DE GRANDES ESPETÁCULOS começa na próxima quarta-feira e comemora 18 edições de sucesso

 

No anexo, seguem informações completas (incluindo sinopses) sobre toda a programação do Janeiro de Grandes Espetáculos, que comemora sua 18ª edição a partir da próxima quarta-feira, dia 11. As duas últimas páginas trazem todos os endereços e telefones das casas de espetáculos, além de detalhes sobre venda de ingressos. Ufa! São 24 páginas no total.

Viva o teatro, a dança, o circo e a música em janeiro!

Janeiro de Grandes Espetáculos comemora maioridade em 2012

(Enviado por Leidson Ferraz: 32220025 / 92921316

                                                              ferraz.leidson@gmail.com)

“O Major – eterno é o espírito” | Patricia Tenório

 

Presente 

Novembro, 2005

               Sempre gostei muito de livros. Ler, escrever esteve entre minhas atividades prediletas. Isso foi tão marcante na minha vida que em 2001 resolvi abrir uma livraria – a Domenico Livraria. Funcionou de março de 2002 a março de 2004. Lidei com autores, editores, artistas, mestres da área.  Eram ministradas no auditório da Domenico cursos, palestras, oficinas. Mas havia um em especial que me despertava uma inveja – saudável, é verdade. A inveja de ver o Mestre e seus pupilos conversando sobre a arte das palavras. A Oficina Literária Raimundo Carrero.

               O dia-a-dia da livraria me consumia as horas e impedia que mergulhasse naquele universo mágico. Mas como em tudo na vida, aconteceu na hora certa. Ao fechar a Domenico, bateu uma vontade enorme de escrever. Era compulsivo, um caos se instalou em meu ser e tornou-se inevitável. Ou escrevia ou a morte. Meio trágico assim, mas que descobri, no primeiro dia de aula na Livraria Nobel, Agosto de 2004, ser essa mesma dor, agonia que todo escritor passa. Então as torneiras se abriram, e jorrou de tudo. Minha vida, angústias, questionamentos. E com toda a paciência de um sábio, Carrero foi me guiando, ensinando o caminho das pedras, um caminho tortuoso na maioria das vezes, em que somente o autor pode descobri-lo, fracasso e glória própria.  A eterna orgia.

            Dezembro de 2004. Antologia – livro coletânea de diversos contos, alunos da Oficina Raimundo Carrero, Editora Bagaço, Recife, Pernambuco. A constatação de que é possível, existe uma luz realmente no fim da teimosia nas palavras. Não havia mais volta, minha sina estava traçada, desejava mais do que tudo na vida. Escrever, escrever, escrever. Participei com o conto “Lentes Cor-de-Rosa”. Nessa mesma época recebi o convite de minha família e a idéia do jornalista e consultor cultural Ênio Lins de escrever uma biografia – escolhi que fosse romanceada – do meu avô, em homenagem ao seu centenário, aconteceria no ano de 2005. Além do prazer em fazer meu primeiro livro, existia uma missão maior que era unir a família em torno de seu patrono, por isso também o Memorial, a Fundação, com a participação de Carmem Lúcia Dantas, museóloga, Wilma Nóbrega, bibliotecária, Roseane Torres, psicóloga, Gisela Abad, designer gráfica.

            Novembro de 2005. O livro está pronto. Ele é meio o que vejo, meio o que sou. Vivi o eterno sofrimento de lapidar, levar o ferro ao torno, moldar, lutando contra inimigos inexoráveis: o tempo, o aprendizado do ofício e a maturidade artística.  Escrito em prazo menor que o ideal (seis meses sendo dois meses para cada etapa, entrevistas, escrevendo,  revisão), fiz a escolha de sacrificar a perfeição em detrimento do presente que gostaria de dar para ele, “O Major”, meu querido avô, em 05 de Novembro de 2005 – data de seu aniversário. O meu melhor presente – o que podia, tinha condições no momento.

            Mas o maior presente de todos, sem dúvida alguma, foi minha volta à casa paterna. O ser humano só é pleno, inteiro quando retorna às suas raízes, quando descobre a quem pertence, aceitando as diferenças, orgulhando-se do mesmo sangue, raça, obstinação, teimosia, força. Fé. Abraçar minha família, pais, irmãos, primos, tios não tem, jamais terá preço. É um prazer único, para sempre carregado em lugar especial de meu mais que íntimo âmago.

               E a meu avô, o Major José Tenório, presente em cada mínimo instante dessa minha primeira viagem no mundo das palavras…

Os países: campanha ultramundos* – Frederico Régis**

 

RITUAL

 

Dentro do cárcere

Mais um dia riscado

Na ilha da alma

 

A manhã convexa

Expõe-se ao sistema solar

A vida aponta carências

Apronta na mesa a conversa

De desejos e abandonos

 

Tudo que vivi e passei

Aporta nesta manhã de domingo

(Inclusive o corpo)

 

Desarmo o cenário do sono

E entro em cena

Para reverter o sonho

Numa velha senha

 

ROMANCE DOS TELHADOS

  

Tardes crianças em torno à roda

E dois corações se namoram

Quando é hora de brincar

 

Sair de casa, nunca mais voltar

Telhados e paisagens de barro

Bairro todo para avistar

 

Noites de lua menina

Toma, menina, a lua

Que ninguém lá embaixo vai notar

 

Lábios, tremor, serenos

E léguas de andor na promessa

Que o mundo nunca vai acabar

 

Bolas, brinquedos à chuva

Adolescidos por cima das telhas

Embarcados de tanto se brincar

 

Estrelinha vivia nos jardins, eu lembro

Subiu para o céu feito ave

Que no mais longe da vista cabe

 

Hoje, nas telhas vermelhas sozinho

Chora um coração sem descer para rua

Pertinho da lua onde estrelinha foi amanhecer

 

CONTINENTES

  

Como dois continentes

Que se foram ao mar

Estamos compondo

auroras

ocasos

 

Pomos no colo estranhamente

Esta bagagem

(que somos)

 

(que é nossa vida –

A mesma que há décadas

Tece o fio quilométrico

E arma o Cm de saudade)

 

Enquanto o mar cumpre sua delícia

E as estrelas conduzem dilúvios

Fujo do sono e embebo em ondas

O país que me deixaste entre lábios

 

Um dia nos encontraremos

No oceano da vida

Daqui a anos

Quem sabe

Ainda neste mundo

__________________________

* Banco do Nordeste, Fortaleza, 2009.

** Frederico Régis é cearense. Escreve poemas deste o final dos anos 1980. Publicou livros feitos a mão e participou de antologias diversas. Em 2007 publicou Minutas do Caos, livro editado pelo Banco do Nordeste (Programa Cultura da Gente). Contato: arteletra@live.com