Posts com Escrita Criativa

Índex* – Julho, 2018

Escrevo

Para me libertar

Para expurgar

Esse sol

Que nasce aqui

No meu peito

Que nasce assim

Uma história 

Repleta de

Amanhã 

Prenhe de sonhos

E começo a concretizar

Hoje

Passo a passo

Em cada palavra

Inscrita no papel

Na ideia

Na imaginação 

Que o raio de sol

Ajudou a despertar

(“Poiesis”, Patricia Gonçalves Tenório, 15/07/2018, 06h04)

 

A Escrita Criativa dando asas à imaginação no Índex de Julho, 2018 do blog de Patricia Gonçalves Tenório.

Sete textos de viagem | Patricia Gonçalves Tenório (PE – Brasil).

Filmes e filosofia de vida & Cinco textos curtos | Bernadete Bruto (PE – Brasil).

Eu amo os advérbios | Cilene Santos (PE – Brasil).

Quem sou eu? | Elba Lins (PB/PE – Brasil).

À Palomar, de Ítalo Calvino | João Paulo Nascimento de Lucena (PE – Brasil).

Lua de sangue | Natália Setúbal (RS – Brasil).

joelhos curvados | Talita Bruto (PE – Brasil).

Estudos em Escrita Criativa – Julho, 2018 | Recife e Porto Alegre.

 

E os links do mês:

 

O blog de Kênia Medeiros (RS – Brasil), participante dos Estudos em Escrita Criativa de Porto Alegre: https://bookcaccino.wordpress.com/2018/06/26/subscribe

O livro de Fotografia & Arte, organização Fernando de Mendonça (SP – Brasil), Maria do Carmo Nino (PE – Brasil) e Patricia Gonçalves Tenório: https://issuu.com/ppgavufpeufpbrevistacartema/docs/dossi___arte_e_fotografia

 

Agradeço a atenção e o carinho, a próxima postagem será em 26 de Agosto de 2018, grande abraço e até lá,

 

Patricia Gonçalves Tenório.

 

______________________________________________

 

Index* – July, 2018

 

I write

To set me free

To purge

This sun

That is born here

In my chest

That is born this way

A story

Full of

Tomorrow

Pregnant of dreams

And I begin to realize

Today

Step by step

In every word

Inscribed on paper

In idea

In imagination

That the ray of sun

Helped to wake up

(“Poiesis”, Patricia Gonçalves Tenório, 07/15/2018, 06h04 a.m.)

 

The Creative Writing giving wings to the imagination in the Index of July, 2018 of the blog of Patricia Gonçalves Tenório.

Seven Travel Texts | Patricia Gonçalves Tenório (PE – Brasil).

Movies & Philosophy of Life & Five Short Texts | Bernadete Bruto (PE – Brasil).

I Love Adverbs | Cilene Santos (PE – Brasil).

Who am I? | Elba Lins (PB / PE – Brasil).

To Palomar, by Italo Calvino | João Paulo Nascimento de Lucena (PE – Brasil).

Blood moon | Natália Setúbal (RS – Brasil).

curved knees | Talita Bruto (PE – Brasil).

Studies in Creative Writing – July, 2018 | Recife and Porto Alegre.

 

And the links of the month:

 

The blog of Kênia Medeiros (RS – Brasil), participant in the Creative Writing Studies of Porto Alegre: https://bookcaccino.wordpress.com/2018/06/26/subscribe

The book of Photography & Art, organization Fernando de Mendonça (SP – Brasil), Maria do Carmo Nino (PE – Brasil) and Patricia Gonçalves Tenório: https://issuu.com/ppgavufpeufpbrevistacartema/docs/dossi___arte_e_fotografia

 

Thank you for the attention and the affection, the next post will be on August 26, 2018, big hug and until then,

 

Patricia Gonçalves Tenório.

____________________________________________

IMG_8293

**

____________________________________________

* Índex foi traduzido (a maior parte) apenas para o inglês por uma questão de extensão do post.

* Index was translated (most of it) into English only as a matter of the extension of the post.

** O Sol da Escrita Criativa que nasce aqui no meu peito. The Sun of Creative Writing that is born here in my chest. 

Sete textos de viagem | Patricia Gonçalves Tenório*

 

14/07/2018  09h30

No capítulo “Querida tela… diário e computador” de O pacto autobiográfico: de Rousseau à Internet, o ensaísta e sociólogo francês Philippe Lejeune afirma que a tela do computador permite o distanciamento necessário para uma escrita terapêutica, funcionando como uma quarta parede do teatro.

“A convergência dos cinco depoimentos que vamos ler me impressionou. Todos atribuem ao computador o mérito de ser uma espécie de escuta terapêutica que decanta o que se quer dizer, que permite, graças à neutralidade da tipografia, ser objetivo, fugir de si mesmo, se distanciar. Outros fatores intervêm, como veremos: a posição face a face, a possibilidade de corrigir e, especialmente, a fantasia de ter um leitor desconhecido. O distanciamento benéfico permite que pessoas que sofrem, desgostosas com sua escrita ou bloqueadas no silêncio, encontrem um caminho em direção a si. Há, certamente, um lado dramático nas experiências contadas, mas pode-se concluir que, minimamente, para um certo número de pessoas, o computador permite realizar melhor do que o caderno as funções do diário: a expressão e a deliberação.”[1]

Tentaremos neste (o mais) breve (possível) ensaio, analisar uma viagem realizada pela autora do texto, assim, na primeira pessoa do plural, para ser possível a objetividade que Lejeune propõe, e o desbloqueio quando se aparenta não haver mais nada a ser escrito.

Comecemos pelo motivo da viagem. A proposta seria visitar as cidades de Praga e Budapeste com os filhos da autora, que doravante chamaremos de P.. Na verdade, Praga seria uma revisita, pois P. esteve, há pouco mais de quatro anos, quando em viagem para a Romênia e a República Tcheca.

“São onze horas da manhã. Estou no Café Mozart, primeiro andar da Staroměstské Náměstí 22, em Praga, lugar onde Franz (Frantisěk) Kafka (1883-1924) habitou durante algum tempo. É o décimo dia da viagem em que percorri a Romênia, e, em seguida, conheci a capital tcheca, Praha.”[2]

O filósofo francês Michel Onfray já dizia em Teoria da viagem que o corpo, aberto à nova experiência, retém bem mais estímulos do que de costume. É então que os seis sentidos – sim, o principal sentido é a intuição – da escritora se ampliam e inauguram a viagem literária.

“A viagem, de fato, é uma ocasião para ampliar os cinco sentidos: sentir e ouvir mais vivamente, olhar e ver com mais intensidade, degustar ou tocar com mais atenção – o corpo abalado, tenso e disposto a novas experiências, registra mais dados que de costume. O viajante percebe-se menos preso aos detalhes do cotidiano do que submetido à prova fenomenológica: imerso no real, ele se conhece através do jogo da intencionalidade e da consciência, experimenta ser forçado a emergir como acontecimento e do nada onde são encontrados os resíduos da decisão. Viajar é uma intimação a funcionar sensualmente por inteiro.”[3]

Carta ao pai

P. está lendo Carta ao pai, de Franz Kafka. Ela está no avião de Recife a Lisboa. Ela não consegue dormir.

 

“Pego a tosse

Na mão

E me aproximo

De Kafka

Na tentativa

De com ele me parecer

Em angústia

Para não perecer

No mar profundo

Das palavras

 

Ele me dá a mão

Do outro lado

Da Carta[4]

Do outro lado

Da grade

De artista da fome[5]

Que se impôs

Na busca

De uma cura

Da tosse

E comigo se parecer

E comigo não perecer

No mar profundo

Das palavras”

(“Chegando a Praga”, 30/06/2018, 16h45)

 

O corpo aberto à nova experiência parece se misturar com o corpo de Kafka, com as letras de Kafka que aparentam guiar aquela viagem, aparentam levá-los, P. e dois de seus três filhos, até a porta do Museu de Kafka na Hergetova Cihelná, Cihelná 2b, Malá Strana.

IMG_8074

“Não me imponha

A culpa

Pois a culpa

Está na raiz

Do medo

Que nasce

Da falta

De amor

E isso

Eu te dei

Demais,

Meu filho

 

Chama-me

De monstro

Diante

Da cidade

Diante

Dos cidadãos

De respeito

E admiração

 

Como se eu

Não fosse um

Kafka

Do mesmo

Barro que

Te moldou

 

E que um

Dia se reconhecerá

Fraco

Mas que nunca

Perguntou

Se não era isso

O que realmente

Queria

E não era de mim

Que fugia

Quando se olhava

No espelho”

(“Carta ao filho”, 01/07/2018, 22h39)

 

E se Hermann Kafka houvesse recebido a fatídica Carta? E se, a recebendo, pudesse responder? O “se” da ficção, amalgamado com os sentimentos da autora, reatualiza o mito e inscreve uma possibilidade – a possibilidade de um(a) pai/mãe expor seus motivos.

IMG_8047

IMG_8053

IMG_8076

IMG_8078

IMG_8083

Um outro dia. Uma nova história. Poder fazer tudo diferente, ainda que numa cidade que se visitou há quatro anos. O rio Vlatva não é o mesmo, e é o mesmo sob a ponte de Carlos IV. O verão queimando a pele, inebriando os olhos, que busca sombra e silêncio sob as paredes da igreja de São Nicolau.

IMG_8103

IMG_8104

“Sento

Na Staré Město

Na igreja

De São Nicolau

 

Vejo o tempo

Fugir nos vitrais

Fluir no teto

Pintado em ondas

 

Passeio

Com meus filhos

No presente

No passado

E quem sabe

O futuro me

Aguardará

Para colher os frutos

Dessas minhas palavras

Lançadas

No ar?”

(“Kostel sv. Mikuláše”, 02/07/2018, 11h54)

IMG_8105

IMG_8107

O catolicismo de P.. O judaísmo de K.. Tudo de K. referia-se ao pai, inidicava ao pai, feito setas com destino certeiro. O “nojo” contra qualquer uma das atividades do filho transparecia na indiferença de “Coloca em cima do criado mudo!”[6] do pai, como se o livro não existisse, como se K. desaparecesse por entre suas palavras de fogo.

IMG_8112

IMG_8113

P. chega ao Café Mozart. A primeira repetição acontece quando reconhece Yamilet ao piano. Elas trocam olhares, trocam acenos de que um dia se encontraram, e passaram quatro horas sorvidas em músicas do leste europeu.

 

“No Café

Tomei

Sorvi

Cada uma

De tuas

Palavras

Como se fossem

Ouro

Como se fosse

E ao pó

Voltasse

Cada uma de

Minhas células

 

Feri

Meus ouvidos

Alcancei

Tua voz

Inaugurando

Em mim

Um canto

Novo

Livre do sentimento

De culpa

E autocomiseração

Que tua Carta[7]

Ao contrário

Em mim instalou”

 

(“No Café Mozart”, 02/07/2018, 17h30)

 

A segunda coincidência ocorreu no Národiní Dúm Na Vinohradech, a Casa Nacional, com o concerto do melhor de Mozart e Dvořák. O violinista-maestro era o mesmo de quatro anos atrás. Mas ele também não é o mesmo, pois na ocasião fora apresentado pelo violinista-maestro de então.

IMG_8137

IMG_8140

Os dias em Praga chegam ao fim. Mas ainda resta um tempo para passear livremente na cidade, para se andar insistente na cidade até gastar a sola dos sapatos e sentir como se não tivesse pés. Eles chegam ao Kampa Park. Os filhos descansam sob a sombra de uma árvore. A mãe se mantém à distância, até porque na distância é que eles poderão voar.

 

“Vejo

Os filhos

Crescerem

Por entre

As folhas

Da árvore

Descortinando

As páginas

Escritas

De uma

Longa história

De amor

Teimosia

E imensa

Dor

 

Eles se parecem

Comigo

Eles são feitos

Da mesma

Matéria de sonhos

Que um dia

Visitou o parque

Ao meio-dia

E na terra

Germinou

Flor”

 

(“Kampa Park”, 04/07/2018, 13h23)

 

IMG_8162

IMG_8166

Carro. Aeroporto. Espera. Avião. Budapeste. Eles chegam tarde à cidade dividida, à cidade prometida de belezas e contradições. Por isso o medo de P.. Por isso a decepção de dois de seus filhos – ou a decepção que era dela, mas se projetava na tela dos rostos filiais.

Mas uma noite. O dia recomeça com a esperança. E, ali, a esperança tem cor azul.

IMG_8172

IMG_8182

IMG_8191

IMG_8196

IMG_8217

IMG_8218

IMG_8235

IMG_8238

IMG_8240

IMG_8249

“Procuro

Transparência

Nas paredes

De Budapeste

E encontro

Os dois lados

Da mesma

Cidade

Os opostos

Que se complementam

Não se contradizem

E não me sinto

 

Sento-me

Em um monte

Alto

Às margens

De um rio

E escuto

Os acordes

De uma valsa antiga

Emoldurando

Em tom azul

 

Para que

Eu possa viver

A transparência

Nos dois lados

Da mesma moeda

De Buda a Peste

E sendo uma

Só”

(“A cidade azul”, 07/07/2018, 09h45)

 

14/07/2018  11h33

A prosa vai se aproximando devagar. Ela observa os personagens. Ela trilha seus caminhos. Sente o cansaço. E após os quatro dias na capital húngara, aquela que foi conquistada por mais povos ainda do que Praga, a prosa toma o lugar da poesia ao chegarem, P. e dois de seus três filhos, ao aeroporto de Budapeste rumo à Lisboa. No retorno ao Brasil. No final da viagem literária. A vida que imita a viagem muito mais do que a viagem imita a vida.

“Desde Recife, não haviam se afastado nem um segundo. Uma sabia da história da outra, como se fossem irmãs siamesas.

No voo de Recife para Lisboa, escutou cada acesso de tosse da outra, mesmo não estando lado a lado. A tosse era um sinal de cansaço, a presença do rapaz, mesmo ela havendo terminado o namoro.

No aeroporto de Lisboa ficou esperando que ela almoçasse num restaurante com opção vegana – era mais difícil se alimentar sob restrição de leite e ovos.

Praga emanando o aroma da primavera em pleno mês de julho. Ficou no hotel enquanto ela visitava o Castelo, a ponte Carlos IV, o museu de Kafka… Kafka e seus amores inacabados, e sua tosse interminável, feito a tosse de Manoela.

Mas não havia sangue na tosse de Manoela, e poderiam continuar a viagem. O bairro judeu, a sinagoga Staronová, e a lista de nomes apagados da terra nos campos de concentração das paredes no memorial ao lado do Cemitério Judaico. Ali Manoela se lembraria do documentário “Red Trees”, de Marina Willer, que narra a história de Alfred sob o olhar da filha mais velha. A família de Alfred fugiu da perseguição nazista em Berlim, veio para Praga, e conseguiu emigrar para o Rio de Janeiro.

Uma pausa para visitar o Café Mozart, no mesmo prédio onde Kafka morou na Staroměstské Náměstí 22, na frente do relógio Astronômico. E a pianista é a mesma de quatro anos atrás – a cubana Yamilet, Yamila para os mais próximos –, Manoela escreveu no diário assim que chegou ao hotel.

E estavam as duas tão juntas, mais juntas do que aquela que Manoela perdeu há quatro anos.

Até chegarem a Budapeste. A cidade dividida. A cidade reconstruída a cada conquistador, cada povo, cada língua e cultura, feito um selo de bagagem, um carimbo de passaporte que elas haviam construído passo a passo, viagem a viagem, até chegarem a Budapeste, a cidade dividida, onde iriam se despedir após quatro anos juntas.

Sim, Manoela poderia viver com o básico. Mas as duas juntas fora o mais básico que conseguiu em toda vida. Mesmo após o término do namoro. Mesmo finalizando o doutorado. E depois? O que faria? Aprenderia línguas? Aperfeiçoaria um instrumento? Viajaria o mundo inteiro em 180 dias? Porque algo deveria ser feito com o vazio. No vazio não se põe em pé, não se levanta ao menos da cama, e a cama pareceria estreita no quarto de hotel, forçando Manoela a acordar cedo e caminhar a cidade inteira, até gastar a sola dos sapatos e não sentir os pés.

E não sentiu os pés, como se deslizasse em rodinhas pelas ruas de Budapeste. Primeiro Peste, e o Parlamento ao meio-dia, e o sol queimando a pele branca de Manoela até entrar-lhe nos ossos e dos ossos não saír mais. Buscava nos ossos a razão para a briga com Jonatas, como se jogada fora da barriga da baleia, depois de morte, e três dias, e ressurreição.

No hotel juntas, e Manoela tomando um banho quente para esquecer o passado, para só lembrar o presente e o metrô para Buda, a igreja de São Matias, o Bastão do Pescador, a Galeria Nacional, e havia uma exposição de Frida Kahlo, que preferiu não visitar, para conhecer melhor os artistas húngaros do museu, tais como Viktor Madarasz, Bertalan Székely, Ligeti Miklós, Károly Ferencey e Laszlá Tajképei.

O círculo se fechando com o terminar dos dias, com o final da viagem que as iria separar. Só por umas horas? Mas como se fossem anos, como se o tempo condensasse em tanta informação e não teriam uma à outra para provar a certeza das coisas, para descobrir na materialidade das coisas os átomos de Epicuro, e o centro dos átomos não se tocando jamais, e, na verdade, elas nunca estiveram juntas, desde que Manoela a comprou na viagem para a Romênia e a República Tcheca quando perdeu aquela outra há quatro anos.

Fora tudo uma ilusão. Ao comprar a passagem com direito a uma – e somente uma – bagagem de bordo, não sabia que a bolsa vermelha também contaria, e da companheira se separaria, de Budapeste até Lisboa, com o coração suspenso se na chegada a encontraria, rodando e rodando em círculos, preocupada com a tensão de sua dona, com o perigo que sua dona corria, apesar da briga com a recepcionista do check-in, com o selo de frágil em sua face, com o ticket que garantia o embarque na parte inferior do avião.”

(“Mala”, de Budapeste a Lisboa, 16h10 – 19h, 08/07/2018)

 

____________________________________

Patricia Gonçalves Tenório (Recife/PE, 1969) escreve prosa e poesia desde 2004. Tem onze livros publicados, com premiações no Brasil e no exterior, entre elas, Melhor Romance Estrangeiro por As joaninhas não mentem (em outubro, 2008) e Primo Premio Assoluto por A menina do olho verde (em outubro, 2017), ambos pela Accademia Internazionale Il Convivio, Itália); Prêmio Vânia Souto Carvalho (2012) da Academia Pernambucana de Letras (PE) por Como se Ícaro falasse, e Prêmio Marly Mota (2013) da União Brasileira dos Escritores – RJ pelo conjunto da obra. Mestre em Teoria da Literatura (UFPE) e doutoranda em Escrita Criativa (PUCRS). Contatos: patriciatenorio@uol.com.brwww.patriciatenorio.com.br

[1] LEJEUNE, Philippe. O pacto autobiográfico: de Rousseau à internet. Organização: Jovita Maria Gerheim Noronha. Tradução: Jovita Maria Gerheim Noronha e Maria Inês Coimbra Guedes. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008, p. 327.

[2] A experiência de um(a) artista da fome em http://www.patriciatenorio.com.br/?p=6990. Em 16/05/2014.

[3] ONFRAY, Michel. Teoria da viagem: poética da geografia. Tradução: Paulo Neves. Porto Alegre, RS: L&PM, 2009, p. 49.

[4] KAFKA, Franz. Carta ao pai. Tradução: Marcelo Backes. Porto Alegre: L&PM, 2007.

[5] KAFKA, Franz. Um artista da fome. In Um artista da fome seguido de Na colônia penal & outras histórias. Tradução: Guilherme da Silva Braga. Porto Alegre, RS: L&PM, 2015.

[6] KAFKA, Franz. Carta ao pai, p. 69.

[7] KAFKA, Franz. Carta ao pai, p. 69.

Filmes e filosofia de vida & Cinco textos curtos* | Bernadete Bruto**

Recife, 18 de julho de 2018

 

Além de diversão, os filmes podem ser fonte de excelentes reflexões sobre a vida, como no filme A Jovem Rainha (2017), uma ficção baseada em história real, a Rainha Cristina da Suécia, uma mulher muito além de seu tempo, incentivou o uso do conhecimento e gosto pelas as artes no seu país, e deste filme, separei parte do discurso de Cristina quando tornou-se rainha e cita o filósofo Descartes: “René Descartes diz que a curiosidade é um grande trunfo. Ele diz que nos predispõe a adquirir conhecimento científico. Ele diz: o melhor remédio para admiração excessiva é adquirir conhecimento de muitas coisas e praticar a apreciação daqueles que parecem ser mais raros e estranhos.”  Sim, a curiosidade e o conhecimento, excelentes trunfos em qualquer época, assim como a apreciação do novo e inusitado. Foi assim com o filme O garoto de Liverpool (2009), também uma ficção baseada na vida do astro John Lennon, o comportamento estranho do jovem inglês na escola fez com que o professor lhe chamasse em particular e sentenciasse: “só conseguirá emprego nas docas, não está indo a lugar nenhum aqui em Quay Back, lugar nenhum.” Engraçado verificar que a sua “profecia” foi por água abaixo: como aquele menino de Liverpool tornou-se um grande músico e mudou costumes. A resposta do menino Lennon no filme já dá essa dimensão: “Esse lugar nenhum está cheio de gênios, senhor? Então deve ser o meu lugar.” Que felicidade comprovar esse final feliz para nós que já presenciamos essa ascensão do menino na vida real, e, como pessoas, abrir nossa mente para enxergar no outro diferente, trazendo o novo e que podemos aprender.

Nesse mesmo foco a questão da diferença reaparece no filme Anomalisa (2017), interessante desenho no qual a protagonista enxerga todos com a mesma aparência e voz até encontrar uma moça, que lhe chama a atenção, talvez por sua diferença dos demais, inclusive na voz,  que ele escuta de forma diferente. No filme que analisa a questão das anomalias, a moça chamada Lisa, recebe o codinome de Anomalisa, que em japonês significa “Deusa do Céu”. E Anomalisa traz muito na sua fala. Tocou-me a observação sobre o Brasil; “o único país que fala português” (uma anomalia) e encontrei imensa sintonia com sua canção preferida, também uma das minhas prediletas, do tempo da juventude, Girls Just Wanna have fun: “Adoro Cyndi Lauper. Ela tem uma ótima voz e não liga para o que diz. Ela é ela mesma, e isso requer coragem.” Por essa informação trazida pela Lisa adorei o filme, que nos estimula a fortalecer nosso comportamento e sempre buscarmos força para sermos nós mesmas apesar de distanciar-se do dito como “normal”. Além da música que me fez retornar ao final dos anos setenta e cantar: Girls just wanna have fun!

Por fim, totalmente encantada como o filme A GANHA PÃO. Meditei sobre o quanto temos em termos de liberdade individual e o quanto ainda tem gente sofrendo nos seus direitos individuais. Pensei ainda, se a condição da mulher no mundo ocidental ainda é precária, como classificar a situação das mulheres em países como o Afeganistão? Triste e inclassificável..infelizmente! E no meio ao sofrimento da história, apresentada com maestria neste desenho, há uma história dentro de uma história, com a contação feita pela protagonista, a menina Parvana. A contação toma ares de fantástico do conto de fadas, um mito do imaginário popular daquele recanto, e, bem perto do final, se mistura  com a história principal, revelando o segredo guardado sobre o irmão de Parvana, cujo paredeiro ninguém mencionava no filme: “Meu nome é Sulayman. Minha mãe é escritora, meu pai professor. Minhas irmãs vivem sempre brigando. Achei um brinquedo na rua e ele explodiu. FIM’

O filme foi tão bem concebido que mesmo no final, fiquei ainda presa naquele povo, que lembra um pouco meus ancestrais, observando o quanto são parecidos, como se irmãos fossem…e desejando que Parvani e todas mulheres e homens do Afeganistão, ou de qualquer outro país, onde a realidade seja semelhante, pudessem alcançar um oásis, um paraíso, que no filme sugeria uma praia em Goa.

Este filme proporcionou muitas reflexões sobre nossa existência, por conta do sofrimento de uma nação. Muito embora, tenha sido profundamente tocada pela beleza da alma de um povo incólume, mostrada na descrição que fazem de si, nos presenteando no final do filme: “Somos uma terra cujo povo é o maior tesouro. Estamos nos limites de impérios em guerra. Somos uma terra dividida nas montanhas do indocuche queimada pelos olhos ardentes dos desertos do norte, escombros negros contra picos de gelo, somos Auriana, a terra dos nobres.”

Filmes nos divertem, mas também nos ensinam como contar histórias de forma diferente, nos instrui e são meios de denúncia de condições humanas, sociais e ambienteis. A filosofia da vida encontramos em vários lugares, na própria natureza, nos livros, nos meios de comunicação, também nas palavras, basta conservar os olhos, ouvidos e coração abertos, em qualquer lugar, até mesmo assistindo a um filme como A Ganha Pão: “Levante suas palavras, não sua voz. É a chuva que faz as flores crescerem, não o trovão.”

 

___________________________________________ 

Texto 1: Um buquê para a minha amada

De vermelho a saudade se agarra ao que sobra do mundo particular da juventude, ainda presente lá no fundo do coração. O tempo em que subia sem medo nas árvores e o céu estava perto passou. Presa no chão,  olhos cansados procuram mocinha de sonhos azul que recebia flores…a vista tão longe:…”Adeus menina, linda flor da madrugada!”

Texto 2: Cada uma tem sua Tróia particular

Aprisionada entre quatro linhas daquela história, que pode ser antiga, procura a menina uma saída. Sua mãe observa o enredo, naquele local de degredo, onde todas as mães vão parar na maturidade. Sentada no anfiteatro da vida e na torcida, aguarda o segundo tempo, o fim da guerra, tempos de realizações! Ela estuda o caminho enfrenta a luta, tem foco. Do outro lado, a mãe espera por um futuro como seu nome,  resplandecente!

Texto 3: Eram muitas vezes

A figura caiu no colo do livro inutilizado. Que aborrecimento! E agora? Qual era a história? Livro todo manchado de tinta preta. Nada se vê.  Lamentou. Olhou a imagem que restava. Uma moça vai em busca de algo, vislumbra uma descida ou vai subir na árvore? Quaisquer das ideias poderiam iniciar! Sorriu. Ficou feliz porque descobriu tantas possibilidades, numa só imagem muitas histórias! Assim, começou a escrever.

Texto 4: Nos tempos do quintal

Houve um tempo em que o mundo era pequeno, íntimo e lhe bastava. Um quadrado onde uma menina vestida de vermelho divagava, abraçada ao arvoredo. Tudo era possível para o local se tornar uma terra encantada, do nada! Na segurança do lar e liberdade do pensamento sonhava com fadas, castelos. Mal sabia que era a verdade muito mais bonita que seus sonhos. A doce e encantadora realidade daquele tempo.

Texto 5: Assim na terra como no céu

João subiu na vida por aquela árvore. Maria ficou embaixo, vendo-o cada vez mais distante. Olhando para o céu, segurava a árvore. Olhando para o alto, não vê a terra… Pobre Maria! Perdeu seu chão…Tudo por causa de João! Toma uma atitude menina. Ou sobe lá pra cima ou se mete pela floresta e vai fazer da vida festa aqui mesmo no chão. Quando notar nem saberá mais quem é João! João? Aquele do pé de feijão? Sei não!

IMG_8307

***

___________________________________________ 

* Resenha apresentada e exercício de um encontro extra do grupo original dos Estudos em Escrita Criativa, em Recife, com Bernadete Bruto, Elba Lins, Luisa Bérard e Talita Bruto em 17/07/2018.

** Bernadete Bruto (Recife/PE, 1958) é bacharel e licenciada em Sociologia, com especializações na área de Recursos Humanos e Direito Administrativo. É analista de Gestão do metrô de Recife e poeta performática. Membro da União Brasileira de Escritores-UBE, da Associação dos Amigos do Museu da Cidade do Recife – AMUC, parceira da Cultura Nordestina Letras e Artes e participa da Confraria das Artes e dos Estudos em Escrita Criativa. Tem quatro livros publicados, todos coletâneas de poesias: Pura impressão (2008), Um coração que canta (2011), Querido diário peregrino (2014) e A menina e a árvore (2017), participação em antologias, assim como diversas apresentações poéticas e performáticas. Contatos: bernadetebruto@gmail.com e www.bernadetebruto.com

*** Birdsong, 1893, Károly Ferenczy.

Eu amo os advérbios| Cilene Santos*

08/01/2013

Amo todas as palavras da Língua Portuguesa; mas tenho uma especial predileção pelos advérbios. Mesmo não sendo palavras substantivas, por sua vez, inconcretizáveis, têm a capacidade de alterar qualquer resultado. Inserindo-se na frase, impõem valores. Vejamos o enunciado: “O rapaz quase morreu”. Que alegria! Ler esta frase. Que alívio! O advérbio “quase” não deixou a tragédia acontecer.

Há casos em que ele se torna um verdadeiro delator: observando um comercial de uma determinada marca de café, detectamos que o nosso cafezinho não estava sendo bem elaborado, quando foi veiculada a propaganda: “Café tal, agora com torra perfeita”. Quer dizer que antes tomávamos um café mal torrado.

Um outro caso interessante acontece quando alguém faz o seguinte elogio: “Você está lindo(a) hoje”. Ao ouvir este discurso, fique triste, chore, esperneie! Ora, se você está lindo(a) hoje, significa que ontem ou nunca esteve bonito(a).

E ainda existe o caso em que o advérbio imprime esperança em quem está apaixonado. Quando alguém diz a alguém “Ainda não te amo!”, isto significa, então, que em algum dia, poderá surgir um grande amor. Neste caso, o advérbio assume um ar de cumplicidade.

É por esta e muitas outras razões que tenho um grande apreço por estas palavrinhas, capazes de me deixarem triste, alegre ou até furiosa, quando espero um sim e me aparece, intrometidamente, um não, que obriga a tomar decisões diferentes daquelas que eu havia planejado.

__________________________________

* Cilene Santos é professora aposentada, grande poeta e participante dos Estudos em Escrita Criativa em Recife. Contato: cilenecaruaru2013@gmail.com

Quem sou eu?* | Elba Lins**

Recife, 21/07/2018, 21h37

 

Noite em claro!

O frio não me deixa dormir. Na lareira, mirrado, um único feixe de gravetos secos, se mistura às cinzas e tenta me aquecer, substituindo a figura a meu lado – que já foi fogo e agora é menos que gelo. Amanhã preciso colher gravetos secos na floresta.

Agora, sentada à beira do caminho, penso no ontem.

 

*********

Cansaço!

Que importa o peso nas costas? Preciso parar, fechar os olhos, me entregar por instantes, aos braços de Morfeu. Fugir das lembranças da noite insone. Na pedra bruta me aconchego e sou mais feliz que na cama compartilhada.

Neste momento a paz chega a mim.

 

**********

Esquisito!

De repente me sinto em paz. Já nem lembro da noite insone, do peso nas costas, do amor desfeito. Sinto uma mão externa refazendo meus passos, dando novas cores à minha face e pensamentos leves à minha mente.

Isto agora é parte de mim.

 

**********

Dúvida!

Continuo sem saber quem sou. Se a camponesa abandonada com frio e sem sono, se a jovem tranquila de faces coradas ou esta presença estranha que parece extrapolar minha figura feminina.

De repente, já não sei mais quem sou ou o que sou.

 

**********

Pobre menina!

De lenço vermelho da mesma cor da boca úmida, braços cansados e perfeitos, semblante de paz. Tudo nela inspira paixão. Já não tenho certeza se ela existe. Minhas mãos inquietas procuram tocá-la, senti-la…

E cada pincelada vã, me aproxima dela.

 

IMG_8309

***

______________________________________

* Exercício de um encontro extra do grupo original dos Estudos em Escrita Criativa, em Recife, com Bernadete Bruto, Elba Lins, Luisa Bérard e Talita Bruto em 17/07/2018.

** Elba Santa Cruz Lins (Monteiro/PB, 1957) é formada em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal de Pernambuco (1979), fez MBA em Gestão de Negócios (EAD) pela PUC-PR. Trabalhou durante 34 anos na área de Telecomunicações da CHESF (Companhia Hidroelétrica do São Francisco). Atualmente aposentada, dedica-se à escrita. Fez curso de Contação de Histórias no Zumbaiar (Recife). Faz poesias e há dois anos participa dos Estudos em Escrita Criativa, sob a coordenação de Patricia Gonçalves Tenório. Lançou em 2017 seu primeiro livro de poemas, Do outro lado do espelho: O feminino em estado de poesia. Contatos: elbalins@gmail.com

*** Woman Carrying Brushwood, 1873, Munkácsy Mihály.

 

À Palomar, de Ítalo Calvino* | João Paulo Nascimento de Lucena**

Camaragibe, domingo, 8 de julho de 2018.

As coisas são assim. Com o olhar fixo, voltado para dentro, penso: “é o vazio, meu Deus?”. De jeito maneira. Pois enxergo tantas coisas…  E alguns dos meus melhores insights vêm dos afazeres cotidianos, que se acumulam e, erroneamente, não dou prioridade, afundando-me na insistência de que o texto vai sair agora ou nunca! E geralmente… Espero a água sanitária agir. Enquanto isso, tomo banho de sol sem camisa sentado do outro lado da rua. É tão bom. Há quanto tempo não saio da caverna? Elas saem. Vêm aproveitar o sol do inverno dos trópicos, tão intermitente e por isso mesmo gostoso, entre uma chuva e outra. O nosso inverno é bipolar. Pretinha, a mais velha, com quatro Copas do Mundo nas costas, já não enxerga mais e seu olfato, aliado à memória, lhe guia. A mais nova vem atrás – é a recém chegada à família. Maia. Chegou nesse último mês de maio. Mas o nome veio duma breve enquete que fiz entre amigos no Whatsapp. Mãe, que a adotou, gostou e assim ficou. Maia passa a comer esses matos que se acumulam na casa frente à nossa. Sei que é para melhorar a digestão… Ela vomita. Eis o propósito. Como é inteligente! Mas quem a ensinou? A natureza é realmente fantástica! Eu que subestimei a pobre. Quando foi a última vez que comi mato? Pouco antes de Maia chegar, acho que na mesma semana, havia lido o livrinho daquela garota do Hare Krishna. Maia não me era estranha. Depois de batizada voltei ao glossário de nomes e termos sânscritos. Mãyã significa ilusão. Mãyãvãdis é nome que se dá aos filósofos proponentes de que, quando Deus faz Seu advento, é encoberto por mãyã. De que ilusão é Maia? Acho que agora o lodo já está mole. Tenho de aproveitar, precaver-me de acidentes. Com a vassoura esfrego. Aguo-o. Esfrego. Lavo… Começa a chover. Já deu. Até as meninas já entraram. Agora, Inverno, ajude-me a terminar.

 

_____________________________________

* Conto de férias do participante dos Estudos em Escrita Criativa de Recife, João Paulo Nascimento de Lucena.

** João Paulo é mestrando em História pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Contato: jpn.lucena@gmail.com

Lua de sangue* | Natália Setúbal**

Sondar os mistérios da face oculta

a inquieta humanidade

à espera da efêmera apoteose

 

Distraídos das coisas  mundanas

atentos içaremos nossas velas

no caminho das nuvens

 

E mais tarde,

quando o véu da noite

descer sobre a Terra

Ó lua carmim,

transmuta teu escarlate

– tamanha magia

e asparge  sobre a Terra

 

a cor da esperança

 

__________________________________

* Poema publicado no Zero Hora (Porto Alegre, RS) em 26/07/2018.

** Natália Setúbal é participante dos Estudos em Escrita Criativa de Porto Alegre. Contato: nataliasetubal.adv@gmail.com

 

joelhos curvados* | Talita Bruto**

Recife, 18/07/2018, 22h55

 

os joelhos dobrados em posição de ataque, ombros arquejados, sobrancelhas selvagens.

no piscar, uma levantada de olho.

pés bambos, joelhos curvados, cerimonialistas. à espera.

mão em falso guardando o vazio do gesto.

*

o menino do lado.

vigia. de passadas truncadas.

…memora…os sons saltados das pedras no mar…

pequeno galope, pequena onda.

*

a praia do sal. única lembrança nítida.

de sua primeira década. quando já ido…alguém.

entre a decisão (distante) de jogar-se pedra e a escolha (estática) de apanhar-se grito.

a entrada da vida é o mesmo lugar do porto: a manhã.

*

amanhã, que será?

*

hoje?

fotografia001

***

___________________________________________

* Exercício de um encontro extra do grupo original dos Estudos em Escrita Criativa, em Recife, com Bernadete Bruto, Elba Lins, Luisa Bérard e Talita Bruto em 17/07/2018.

** Talita Albuquerque Bruto da Costa é estudante de graduação de Letras Bacharelado com ênfase em estudos literários pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Ela tem principal interesse nas áreas que envolvem os estudos do hermetismo, da psicologia e do imaginário simbólico nas narrativas literárias. Contato: talitabruto@gmail.com

*** Boys throwing pebbles, 1890, Károly Ferenczy.

Estudos em Escrita Criativa – Julho, 2018 | Recife e Porto Alegre

Nossas férias foram de uma riqueza ímpar. Além de nos reabastecermos para trazer o melhor para os encontros do segundo semestre de 2018 dos Estudos em Escrita Criativa, nos reunimos, o grupo original com Bernadete Bruto, Elba Lins, Luisa Bérard e Talita Bruto, e exercitamos o que apreendi na disciplina Textos breves e híbridos ministrada pelo Prof. Dr. Amilcar Bettega na única Pós-Graduação com Mestrado e Doutorado em Escrita Criativa do país na PUCRS: a partir da leitura de ficcionistas e teóricos tais como Robert Walser, Walter Benjamin, Noemi Jaffe, Júlio Cortazar, Enrique Vila-Matas e Lydia Davis, escrever 05 minitextos com até 05 linhas cada.

Os exercícios estão especialmente do lado de fora deste post, justamente para dar asas a essas primeiras alunas que já, há muito tempo, sabiam voar sozinhas, mas que tiveram a humildade – qualidade tão rara e que prezo tanto no ser humano – de aprenderem/ensinarem (assim como o verbo apprendre em francês) nos nossos encontros.

Tivemos também a imensa alegria em receber textos de participantes dos Estudos de Recife (Cilene Santos e João Paulo Nascimento de Lucena) e de Porto Alegre (Natália Setúbal).

E no dia 31/08/2018, às 14h30, estaremos no Congresso da Associação Brasileira de Literatura Comparada (Abralic), em Uberlândia, com dois estudos de caso – Abril, sobre o mito, e Maio, sobre a viagem – dos nossos encontros, e o lançamento, às 19h, do primeiro volume do Sobre a escrita criativa. O segundo volume já está no forno com textos de autores tais como Alexandra Lopes da Cunha, Amilcar Bettega, Bernadete Bruto, Daniel Gruber, Elba Lins, Fred Linardi, Gisela Rodriguez, Guilherme Azambuja Castro, Lourival Holanda, e esta que vos escreve.

Os Estudos retornarão em Agosto de 2018 com todo o carinho e o melhor que posso oferecer àqueles que os aceitaram e me incentivaram em cada mínimo desafio. Não à toa, o tema será o Amor, e os escritores convidados, Ana Maria César, em Recife, no dia 11/08/2018, na Livraria Cultura do Shopping RioMar, e Annie Müller e Luís Roberto Amabile, em Porto Alegre, no dia 15/08/2018, na Livraria Cultura do Shopping Bourbon Country.

Que venham os próximos encontros! Grande abraço e até breve,

 

Patricia Gonçalves Tenório.

_______________________________

Próximos encontros:

Cartaz A3 e Banner_Recife

Estudos em Escrita Criativa - Porto Alegre - RS

Índex* – Junho, 2018

Carrego 

As frases

Inacabadas 

Os sonhos

Por vir

Uma estrela

Cadente

Caindo

Em minha mão

Ainda quente

Ainda cheirando 

A jasmim

Até brotar

No centro

Uma palavra

De cor

Azul

(“Até meu céu nascer azul”, Patricia Gonçalves Tenório, 31/05/2018, 15h35)

 

O céu azul de final de semestre, início de outro no Índex de Junho, 2018 no blog de Patricia Gonçalves Tenório.

Vinte e um | Patricia Gonçalves Tenório (PE – Brasil).

Il Convivio (Itália), Alfredo Tagliavia (Itália) & “La bambina dagli occhi verdi” | Patricia Gonçalves Tenório.

Estudos em Escrita Criativa – Junho, 2018 | De Recife a Porto Alegre | Diversos.

Poemas de Cilene Santos (PE – Brasil).

Minicontos de Júlia Dantas (RS – Brasil) nos Estudos em Escrita Criativa – Porto Alegre.

E os links do mês:

– Homero Fonseca (PE – Brasil): https://medium.com/@homerofonseca/literatura-ostenta%C3%A7%C3%A3o-bc355b700c7c

– Gabriel Nascimento (RS –Brasil):  https://www.facebook.com/Reimundo45/

– Pedro Gabriel (PE – Brasil): https://lituraterre.com/espaco-letra-freudiana/  

Agradeço a atenção e o carinho de sempre, a próxima postagem será em 29 de Julho de 2018, grande abraço e até lá,

 

Patricia Gonçalves Tenório.

 

____________________________________________

 

Index* June, 2018

 

I carry

The phrases

Unfinished

The dreams

For coming

A star

Cadent

Falling down

In my hand

Still hot

Still smelling

The jasmine

Until it comes out

In the center

A word

In color

Blue

(“Until my sky is blue”, Patricia Gonçalves Tenório, 05/31/2018, 3:35 p.m.)

 

The blue sky of the end of semester, beginning of another in the Index of June, 2018 in the blog of Patricia Gonçalves Tenório.

Twenty-one | Patricia Gonçalves Tenório (PE – Brasil).

Il Convivio (Italy), Alfredo Tagliavia (Italy) & “La bambina dagli occhi verdi” | Patricia Gonçalves Tenório.

Studies in Creative Writing – June, 2018 | From Recife to Porto Alegre | Several.

Poems by Cilene Santos (PE – Brasil).

Very-short-stories by Júlia Dantas (RS – Brasil) in Studies in Creative Writing – Porto Alegre.

And the links of the month:

– Homero Fonseca (PE – Brasil): https://medium.com/@homerofonseca/literatura-ostenta%C3%A7%C3%A3o-bc355b700c7c  

– Gabriel Nascimento (RS – Brasil): https://www.facebook.com/Reimundo45/

– Pedro Gabriel (PE – Brasil): https://lituraterre.com/espaco-letra-freudiana/  

Thank you for the attention and the affection of always, the next post will be on July 29, 2018, big hug and until then,

 

Patricia Gonçalves Tenório.

____________________________________________

IMG_7899

**

____________________________________________

* Índex foi traduzido (a maior parte) apenas para o inglês por uma questão de extensão do post.

* Index was translated (most of it) into English only as a matter of the extension of the post.

** “Olha para o céu, meu amor… Nessa noite de São João”. Música: Luiz Gonzaga  (PE – Brasil). Fotografia: George Barbosa  (PE – Brasil). “Look at the sky, my love … On that night of St. John.” Music: Luiz Gonzaga (PE Brasil). Photography: George Barbosa (PE – Brasil).