Posts com Crônica

Índex* – Dezembro, 2017

O menino

Se aproxima

E eu vejo

O seu andar

E eu sinto

O seu olhar

Bem aqui

Próximo ao meu

 

Passa o tempo

Passa a vida

Eu atrás 

Desse menino

Eu em busca

De uma história 

Que eu possa

Te contar

 

Para crer

Mais uma vez

Na bondade

Do menino

Na candura

De um Natal

Um Ano Novo

Que se aproxima 

Devagar

(“É outra vez”, Patricia Gonçalves Tenório, 13/12/2017, 05h20)

 

Um 2018 de muita Paz, Saúde, Luz & Escrita Criativa que se aproxima no Índex de Dezembro, 2017 no blog de Patricia Gonçalves Tenório.

Grupo de Estudos em Escrita Criativa – 2018 | Patricia Gonçalves Tenório (PE – Brasil).

Maudie e Mamãe em 2017 | Bernadete Bruto (PE – Brasil).

O livro das recordações | Coordenação: Diógenes da Cunha Lima (PE – Brasil).

Presentes do Poeta de Meia-Tigela / Alves de Aquino (CE – Brasil).

 

E obrigada por tudo nesse 2017 que finaliza hoje…

Janeiro, 2017: http://www.patriciatenorio.com.br/?p=7092

Fevereiro, 2017: http://www.patriciatenorio.com.br/?p=7229

Março, 2017: http://www.patriciatenorio.com.br/?p=7333

Abril, 2017: http://www.patriciatenorio.com.br/?p=7401

Maio, 2017: http://www.patriciatenorio.com.br/?p=7449

Junho, 2017: http://www.patriciatenorio.com.br/?p=7514

Julho, 2017: http://www.patriciatenorio.com.br/?p=7556

Agosto, 2017: http://www.patriciatenorio.com.br/?p=7608

Setembro, 2017: http://www.patriciatenorio.com.br/?p=7666

Outubro, 2017: http://www.patriciatenorio.com.br/?p=7743

Novembro, 2017: http://www.patriciatenorio.com.br/?p=7816

 

… a próxima postagem será em 28 de Janeiro, 2018, um grande abraço, e até lá,

 

Patricia Gonçalves Tenório.

 

____________________________________________

 

Index* – December, 2018

 

 

The boy

Gets closer

And I see

His walking

And I feel

His look

Right here

Next to mine

 

Passes the time

Goes the life

And I’m looking for

This boy

And I’m looking for

A story

That I can

Tell you

 

To believe

Once again

In the kindness

Of the boy

In the candidness

Of a Christmas

A New Year

That gets closer

Slowly

(“It’s another time,” Patricia Gonçalves Tenório, 12/13/2017, 05:20 a.m.)

 

A 2018 full of Peace, Health, Light & Creative Writing getting closer in the December Index, 2017 on Patricia Gonçalves Tenório’s blog.

Study Group on Creative Writing – 2018 | Patricia Gonçalves Tenório (PE – Brasil).

Maudie and Mama in 2017 | Bernadete Bruto (PE – Brasil).

The book of memories | Coordination: Diógenes da Cunha Lima (PE – Brasil).

Gifts of the Poet of Half-Bowl / Alves de Aquino (CE – Brasil).

 

And thank you for everything in 2017 that ends today…

January, 2017: http://www.patriciatenorio.com.br/?p=7092

February, 2017: http://www.patriciatenorio.com.br/?p=7229

March, 2017: http://www.patriciatenorio.com.br/?p=7333

April, 2017: http://www.patriciatenorio.com.br/?p=7401

May, 2017: http://www.patriciatenorio.com.br/?p=7449

June, 2017: http://www.patriciatenorio.com.br/?p=7514

July, 2017: http://www.patriciatenorio.com.br/?p=7556

August, 2017: http://www.patriciatenorio.com.br/?p=7608

September, 2017: http://www.patriciatenorio.com.br/?p=7666

October, 2017: http://www.patriciatenorio.com.br/?p=7743

November, 2017: http://www.patriciatenorio.com.br/?p=7816

 

… the next post will be on January 28, 2018, a big hug, and until then,

 

Patricia Gonçalves Tenório.

IMG_5826

**

____________________________________________

* Índex foi traduzido (a maior parte) apenas para o inglês por uma questão de extensão do post.

* Index was translated (most of it) into English only as a matter of the extension of the post.

** Um Ano Novo se aproxima. A New Year gets closer.

Grupo de Estudos em Escrita Criativa – 2018

Print

 

O tempo                                     A viagem

                         O amor                            A imagem    

O mito                                        A música

                         O sonho                           O fogo

Encontros mensais e temáticos para, a partir da Teoria, estimular a Criatividade na Escrita de Ficção, Poesia, Ensaios Teórico-Poéticos. Em cada cidade, participação especial de escritores locais falando sobre seus processos criativos.

* Patricia Gonçalves Tenório é escritora, mestre em Teoria da Literatura (UFPE), doutoranda em Escrita Criativa (PUCRS). 

Maudie e Mamãe em 2017 | Bernadete Bruto*

(…) as esperanças vão conosco à frente e os desenganos vão ficando atrás…

(Trecho do poema CONTRASTE de Pe. Antonio Tomaz)

painel-adesivo-parede-paisagem-cachoeira-praia-mar-natureza-D_NQ_NP_12755-MLB20064843538_032014-F

Talvez, por “coincidência”, tenha assistido neste dia, 14 de dezembro de 2017, ao filme Maudie (2016) ou fiz uma associação imediata entre ela e minha mãe (Gracinha), porque sinto saudades da mamãe e muito mais hoje. Se viva estivesse seria o dia de seu aniversário, por isso a saudade bate mais forte hoje e vem com lágrima saltando nos olhos.

No filme, um primor de fotografia, que mais parece um cartão postal, a protagonista, uma mulher (artista), com corpo e mãos retorcidos pela artrite, transforma a vida cotidiana em arte, colorindo todo o espaço ao redor.  Esta mulher se chamava Maud Dowley e existiu realmente, tornando o filme ainda mais belo.

Bem ao final do filme, Maud responde a uma amiga sobre o que a motiva: Eu não quero muito. Enquanto eu tiver um pincel na minha frente eu não ligo. (…) É sempre mais a plenitude da vida já enquadrada. Bem ali.

Maudie e a visão sobre a vida, assim como os olhos brilhantes de minha mãe perante a existência. Ah, Dona Gracinha, como Maud, você enxergou a beleza na tela da vida, que tanto nos descrevia e para nós “pintava” todo santo dia: Repare naquele céu tão azul! Naquele mar, não é lindo? Esse vento que sopra. Este sol tão brilhante!  E quando não recitava pela casa o poema de Pe. Antonio Tomaz, de cuja frase fazia quase um mantra, muitas vezes pedia para tocar no violão a música Porque Deus é amor  para cantarmos juntos:

 

♪♪ Você sabe por que o céu é azul sem confim,

você sabe por que o mar nunca há de secar,

você sabe por que o sol  de sempre brilhar,

porque Deus é amor…♫

 

Assim como Maud, Gracinha, minha mãe, uma artista, nos mostrava a beleza da vida enquadrada bem ali à nossa frente e acredito, conseguimos, ainda hoje, contemplar a vida, assim colorida, porque foi assim, para nós, através de sua voz, pintada. Gratidão, Mamãe!

 

Recife, Salve, 14 de Dezembro de 2017!

 

Gracinha 14/12/1917

+ 20/08/2005

________________________________

* Bernadete Bruto (Recife/PE, 1958) é Bacharel e Licenciada em Sociologia, com Especializações na Área de Recursos Humanos e Direito Administrativo. É Analista de Gestão do Metro do Recife e Poeta Performática. Membro da União Brasileira de Escritores-UBE, da Associação do Amigos do Museu da Cidade do Recife – AMUC, parceira da Cultura Nordestina Letras e Artes e participa de grupos como a Confraria das Artes e Grupo de Estudos em Escrita Criativa. Tem quatro livros publicados, três coletâneas de poesias, Pura Impressão (2008), Um Coração de Canta (2011) e Querido Diário Peregrino (2014), e  o livro infantil bilíngue A menina e a árvore  (2017). Participou de antologias, assim como diversas apresentações poéticas e performáticas. Contatos: bernadetebruto@gmail.com e www.bernadetebruto.com

“O livro das recordações”* | Coordenação: Diógenes da Cunha Lima

Marcel Proust, um dos maiores escritores da história da literatura, ficou célebre por sua obra Em busca do tempo perdido, publicada em sete volumes, três deles após sua morte, em 1922. Quando ainda era um adolescente, o jovem escritor estava na festa de uma prima, Antoinette, e foi convidado a preencher um questionário bastante popular à época, principalmente entre as famílias da Inglaterra vitoriana, onde surgiu com o nome “Confessions” (“Confissões”). Era uma modinha, como se diz, uma brincadeira, típica dos jogos de salão da refinada Belle Époque, servindo para criar assuntos e animar as festas. As respostas do gênio da literatura francesa tornaram o modelo de questionário tão famoso que foi rebatizado com o seu nome e virou uma espécie de padrão para muitas entrevistas jornalísticas até os dias de hoje.

Além do aspecto intelectual, o Questionário Proust é, antes de mais nada, uma divertida brincadeira. São 18 perguntas que devem ser respondidas espontaneamente, sem muito pensar, como um passatempo, permitindo que as respostas sejam reveladoras e, até, surpreendentes. Poetas como Carlos Drummond de Andrade, Manuel Bandeira e muitos outros escritores de todo o planeta também já responderam a esse questionário.

Inspirando-me em Proust, criei novas perguntas e convidei escritores amigos para respondê-las. É a chamada “hora da verdade”. Mas também a hora da amizade, de compartilhar com eles – e agora com vocês, leitores – a variedade das respostas, as coincidências, o que temos em comum, mesmo nas infinitas diferenças de como enxergamos o mundo.

Diógenes da Cunha Lima

Presentes do Poeta de Meia-Tigela / Alves de Aquino*

A Cidade. Poeta de Meia-Tigela & Carlos Nóbrega. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2016.

 

A CIDADE E AS SERRAS

 

Há nos poetas de outrora

tantas paisagens

mas de mim tão longínquas

como aquelas palavras:

longínquo e outrora

Nasci cresci existo

na cidade

entre edifícios carros assaltos

e cercas de alta voltagem

Das evocações bucólicas

como formularei

– por mais vivas jamais vistas –

precisa imagem?

A mim que não as tive diante

só resta lamentar

delas sequer

restar

a saudade

 

 

Mutirão # 3. Organização: Poeta de Meia-Tigela. Participação: André Dias, Bárbara Costa Ribeiro, Brennand de Souza et al. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2017.

 

UMA VILA DESERTA

 

Nunca mais as lavadeiras,

nem os pescadores.

Agricultores ribeirinhos,

estes também não.

Nunca mais tapiocas,

cafés e conversas.

Onde o rio, apenas o rastro.

Sumiram-se os dias

de plantar e colher,

casar e construir.

Sumiram-se as mães

que davam aromas de milho

às tardes lentas.

 

(Webston Moura)

 

Para Mamíferos. N. 04. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora.

 

Depois da Aurora

 

Ora, quando dei por mim

o mato já estava alto

e minha alma mergulhada

na floresta do insensato

 

Quando quis olhar pra fora

não vi o verde que havia

as janelas se fecharam

sobre a varanda do dia

 

Depois veio a tempestade

não quis saber de alegria

quando a lua me chamava

eu fingia que não via

 

Fazia dos meus poemas

a minha biografia

da minha maior mentira

frase para a laje fria

 

Demorou, ressuscitei

com a chegada de Aurora

o que antes era século

tornou-se fração de hora

 

Depois da noite ela veio

como quem não quer ficar

inconstante, imprevisível

feito as ondas desse mar

 

(poemas de Carlos Vasconcelos)

 

________________________________

* Contatodeaquinoalves@gmail.com

 

Índex* – Outubro, 2017

No pensamento 

O tempo sempre foi

Luta

Resistência 

 

Na imagem

De um menino 

Que foi um dia

Semente

Broto

Cápsula 

 

Aparece

Diante de mim

Formado

Amalgamado em

Corpo e alma

Com um sonho

Que tive um dia

Insistente

Persistente

 

Até

Nascer em mim

O pensamento 

Que lutou um dia

Que resistiu um dia

E se transformou

Em poesia

(“O pensamento luta”, Patricia Gonçalves Tenório, 05/10/2017, 05h01)

 

O sonho insiste e persiste no Índex de Outubro, 2017 no blog de Patricia Gonçalves Tenório.

A Cidade Universitária em “A menina do olho verde” | Patricia Gonçalves Tenório (PE – Brasil).

I Seminário Nacional em Escrita Criativa de Pernambuco | Diversos.

“Sobre a escrita criativa” em Porto Alegre | Organização: Patricia Gonçalves Tenório. Prefácio: Luiz Antonio de Assis Brasil (RS – Brasil).

Grupo de Estudos em Escrita Criativa – Outubro, 2017 | Diversos.

E o link do mês: Paulo Caldas (PE – Brasil) fala sobre A menina do olho verde no http://revista.algomais.com/noticias/a-menina-do-olho-verde-vence-na-italia-por-paulo-caldas.

Agradecemos a participação e carinho.

Excepcionalmente, antecipamos a postagem para hoje. A próxima postagem será em 26 de Novembro, 2017.

Um grande abraço e até lá!

Patricia Gonçalves Tenório.

 

____________________________________________

 

Index* – October, 2017

 

In thought

The time has always been

Fight

Resistance

 

In the image

Of a boy

Who was one day

Seed

Bud

Capsule

 

Pops up

Before me

Formed

Amalgamated in

Body and soul

With a dream

I had one day

Insistent

Persistent

 

Up until

Born in me

The thought

Who fought one day

Who endured one day

And became

Poetry

(“The thought of struggle”, Patricia Gonçalves Tenório, 05/10/2017, 05:01)

 

The dream insists and persists in the Index of October, 2017 in the blog of Patricia Gonçalves Tenório.

The University City in “The Green Eye Girl” | Patricia Gonçalves Tenório (PE – Brasil).

I National Seminar in Creative Writing in Pernambuco | Miscellaneous.

“About creative writing” in Porto Alegre | Organization: Patricia Gonçalves Tenório. Preface: Luiz Antonio de Assis Brazil (RS – Brasil).

Study Group on Creative Writing – October, 2017 | Miscellaneous.

And the link of the month: Paulo Caldas (PE – Brasil) talks about The girl with the green eye in the http://revista.algomais.com/noticias/a-menina-do-olho-verde-vence-na-italia-por-paulo-caldas.

We appreciate your participation and affection.

Exceptionally, we’ve anticipated the post for today. The next post will be on November 26, 2017.

A big hug and until then!

Patricia Gonçalves Tenório.

____________________________________________

IMG_6679

IMG_6681

IMG_6694

IMG_6703

IMG_6722

IMG_6745

IMG_6793

IMG_6800

IMG_6822

IMG_6830

**

____________________________________________

* Índex foi traduzido (a maior parte) apenas para o inglês por uma questão de extensão do post.

* Index was translated (most of it) into English only as a matter of the extension of the post.

** A insistência e a persistência de um sonho no I Seminário Nacional em Escrita Criativa de Pernambuco. The insistence and persistence of a dream in the First National Seminar in Creative Writing in Pernambuco.

“Sobre a escrita criativa” em Porto Alegre| Organização: Patricia Gonçalves Tenório. Prefácio: Luiz Antonio de Assis Brasil

Apresentação de Sobre a escrita criativa no XII Seminário Internacional de História da Literatura – PUCRS – 18/10/2017, 17h30, Sala 305, Bloco 8

Patricia Gonçalves Tenório

9788594339003

 

Este livro é uma questão de fé.

Tudo começou em 12 de abril de 2017 quando Annie Müller, Daniel Gruber, Gustavo Czekster, María Elena Morán e eu, conversando no restaurante do bloco 15, imaginávamos de que maneira poderíamos divulgar o trabalho que desenvolvíamos aqui na PUCRS em outras paragens do Brasil. A nós se juntou Alexandra Lopes da Cunha, Luís Roberto Amabile e Guilherme Azambuja Castro.

Levamos o projeto de um Encontro Nacional em Escrita Criativa para a Bienal Internacional do Livro de Pernambuco nas figuras de Rogério Robalinho e Sidney Nicéas. Eles acreditaram.

Apresentamos o projeto ao tão caríssimo Prof. Luiz Antonio de Assis Brasil que nos abriu as portas da PUCRS juntamente com as caríssimas Profs. Cláudia Brescancini e Maria Eunice Moreira e transladaram para o I Seminário Nacional em Escrita Criativa de Pernambuco. Eles acreditaram.

Tivemos a ideia de antecipar os textos a serem proferidos nas mesas e oficinas do Seminário para aproveitarmos a oportunidade única de lançarmos uma coletânea com todos reunidos em Recife. Convidamos os 25 participantes e tivemos a grata surpresa de contarmos com uma adesão de 20 artigos e ensaios. Eles acreditaram.

Agradecemos, mesmo à distância, à equipe incansável que tornou este livro possível: Jaíne Cintra (Designer), Wilma Nóbrega (Catalogação), Ana Lúcia Gusmão e Sandra Freitas (Revisão), Deborah Barros (Contabilidade da Editora Raio de Sol), Ricardo Barbosa (Gráfica Provisual); aos Profs. Alexandre Furtado (UPE), Anco Márcio Tenório Vieira (UFPE), Marcelo Coutinho (UFPB), Márcia Ivana de Lima e Silva (UFRGS) e Maria Eunice Moreira (PUCRS), por gentilmente aceitarem o convite de comporem o Conselho Editorial dessa publicação, e, com isso, validarem os nossos textos no Lattes.

E, antes de tudo, a infinita gratidão ao Prof. Luiz Antonio de Assis Brasil, esse baluarte da Escrita Criativa no país, que, lá atrás, na lonjura e no outrora de 2006, acolheu como ouvinte em sua Oficina Literária esta que agora vos fala.

_______________________________

Sobre a escrita criativa. Prefácio: Luiz Antonio de Assis Brasil. Organização: Patricia Gonçalves Tenório. Recife, PE: Raio de Sol, 2017.

À venda no https://www.livrariacultura.com.br/p/livros/literatura-nacional/ensaios/sobre-a-escrita-criativa-46741313?id_link=8787&adtype=pla&id_link=8787&adtype=pla&gclid=EAIaIQobChMIgO-ineaB1wIVUAiRCh0oiA8-EAQYASABEgLcFfD_BwE

_______________________________

IMG_6841

IMG_6842

IMG_6847

IMG_6851

IMG_6854

Grupo de Estudos em Escrita Criativa – Outubro, 2017

I Seminário Nacional em Escrita Criativa de Pernambuco

XI Bienal Internacional do Livro de Pernambuco

14/10/2017 – 10h00 – 13h00

 

No segundo dia do I Seminário Nacional em Escrita Criativa inserido na XI Bienal Internacional dos Livros de Pernambuco começamos nos apresentando e o porquê da busca pela Escrita Criativa em nossas vidas. As participantes do Grupo de Estudos em Escrita Criativa se apresentaram e convidaram as demais pessoas presentes a também se apresentarem.

Começamos abrindo o olhar com o Modos de ver, do romancista, crítico de arte, pintor inglês, nascido em Londres, John Berger (1926-2017).

“Ver precede as palavras. A criança olha e reconhece, antes mesmo de poder falar” (BERGER, 1999, p. 9).

Falamos um pouco do pintor belga, nascido em Lessines, René Magritte (1898-1967) quando Berger cita o abismo entre as palavras e a imagem de A chave dos sonhos (1930).

“Olhar é um ato de escolha. Como resultado dessa escolha, aquilo que vemos é trazido para o âmbito do nosso alcance – ainda que não necessariamente ao alcance da mão. Tocar alguma coisa é situar-se em relação a ela. (Feche os olhos, mova-se ao redor do aposento e verifique como a faculdade do toque é uma forma estática, limitada, de visão.) Nunca olhamos para uma coisa apenas; estamos sempre olhando para a relação entre as coisas e nós mesmos. Nossa visão está continuamente ativa, continuamente em movimento, continuamente captando coisas num círculo à sua própria volta, constituindo aquilo presente para nós do modo como estamos situados.” (BERGER, 1999, p. 10-11)

Como em toda Escrita Criativa, nos preparamos com a Teoria para alavancar a Poesia, nos alimentamos de Crítica para forjar a Ficção. Fomos buscar a base do nosso primeiro exercício prático no conceito de ekphrasis retirado da dissertação de mestrado em Teoria da Literatura, linha de pesquisa Intersemiose, “O retrato de Dorian Gray, de Oscar Wilde: um romance indicial, agostiniano e prefigural”.

“[…] ekphrasis – do grego εκφραζειν, “explicar até o fim”, ou seja, um fenômeno da representação verbal de uma representação visual.

Muitos são os exemplos de ekphrasis no Ocidente, tendo sua origem na descrição de Homero do escudo de Aquiles, na Ilíada, passando pelos românticos com o poeta inglês John Keats, em “Ode a uma urna grega”, manifestando-se na prosa de Fiódor Dostoievski, em O idiota, quando descreve o quadro “O corpo do Cristo morto”, de Hans Holbein, até chegarmos a O retrato de Dorian Gray, de Oscar Wilde.” (TENÓRIO, 2015, p. 5)

O primeiro exemplo citado foi o escudo de Aquiles descrito na Ilíada, reunida por Homero, escudo realizado por Hefesto à pedido de Téles, mãe de Aquiles. O escudo original de Aquiles fora emprestado à Pároclo, o amigo morto por Heitor. No escudo novo encontramos a representação do Universo em cinco camadas.

“Fez primeiro um escudo grande e robusto,

todo lavrado, e pôs-lhe à volta um rebordo brilhante,triplo e refulgente, e daí fez um talabarte de prata. Cinco eram as camadas do próprio escudo; e nele cinzelou muitas imagens com perícia excepcional.

Nele forjou a terra, o céu e o mar; o sol incansável e a lua cheia; e todas as constelações, grinaldas do céu: as Plêiades, as Híades e a Força de Oríon; e a Ursa, a que chamam Carro, cujo curso revolve sempre no mesmo sítio, fitando Oríon. Dos astros só a Ursa não mergulha nas correntes do Oceano.”

O segundo exemplo de ekphrasis encontramos no poeta romântico inglês, nascido em Moorgate, Londres, John Keats (1795-1821), na sua “Ode a uma urna grega” ou “Ode sobre uma urna grega” em algumas traduções. Estudiosos afirmam que Keats se inspirou nos mármores gregos do Museu Britânico. Outros que se inspirou em um livro de P. Piranesi, na reprodução de um vaso de Sosíbio do Louvre. O fato é que todo o poema é uma espécie de narrativa de uma festa dionisíaca.

“Tu, ainda não violada noiva do repouso,

Criança, de que o silêncio e o tardo tempo cuidam,

Silvestre historiadora, que assim podes exprimir

Um florido conto com maior doçura do que a nossa rima:

Que legenda franjada de folhagens te rodeia a forma

De divindades ou mortais, ou de umas e outros,

Pelo vale de Tepe ou nos da Arcádia?

Que homens são esses ou que deuses? Que virgens relutantes?” (KEATS, (1819 in) 2010, p. 47)

 

O terceiro e último exemplo refere-se novamente ao objeto de pesquisa da dissertação acima apresentada: a ekphrasis entre único romance do escritor, poeta, dramaturgo, crítico de arte irlandês, nascido em Dublin, Oscar Fingal O’Flahertie Wills Wilde (1854-1900), O retrato de Dorian Gray, e a tela à óleo (1943) de mesmo nome, que encontra-se hoje no Art Institut of Chicago, do pintor do realismo mágico americano, nascido em North Valley, Illinois, Ivan Albright (1897-1983).

“Teve uma sensação de dor ao pensar na profanação que aguardava o belo rosto no quadro. Certo dia, numa zombaria juvenil de Narciso, ele havia beijado, ou fingira beijar, aqueles lábios pintados que agora sorriam tão cruelmente para ele. Manhã após manhã, sentara-se diante do retrato contemplando sua beleza, parecendo quase enamorado dela em certos momentos. Iria se alterar agora respondendo às mudanças em seu estado de espírito? Iria porventura se tornar algo repugnante e odioso a ser escondido num quarto trancado, sem acesso à luz do sol, que tantas vezes tornava ainda mais dourada a maravilha ondulada de seu cabelo? Que pena! Que pena!” (WILDE, (1890 in) 2013, p. 195)

 

Os exercícios propostos foram:

1) A partir de cartões postais com pinturas, fotografias, escolhidas no momento da oficina, escrever uma pequena narrativa ou poema, de maneira descritiva ou metafórica;

2) A partir de dois textos e um vídeo da própria ministrante, o conto “Reverência” de Grãos (2007), o poema “Escarlate”, de D’Agostinho (2010) e o vídeo-conto “Prisão perpétua” de Diálogos (2010), escrever uma continuidade do texto/vídeo que mais lhe tocou.

 

 

Referências bibliográficas

 

BERGER, John. Modos de ver. Tradução: Lúcia Olinto. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

HOMERO. Ilíada. XVIII vv.478-608. https://pt.scribd.com/document/213376064/Homero-Descricao-do-Escudo-de-Aquiles-Iliada.

KEATS, John. Ode sobre uma urna grega. In Ode sobre a melancolia e outros poemas. Organização e tradução: Péricles Eugênio da Silva Ramos. São Paulo: Hedra, (1819 in) 2010.

TENÓRIO, Patricia Gonçalves. O retrato de Dorian Gray, de Oscar Wilde: um romance indicial, agostiniano e prefigural. Saarbrücken, Alemanha: Novas Edições Acadêmicas / OmniScriptum GmbH & Co, 2016.

_________________________. Reverência. In Grãos. Rio de Janeiro: Calibán, 2007.

_________________________. Escarlate. In D’Agostinho. Rio de Janeiro: Calibán, 2010.

_________________________. Prisão perpétua. In Diálogos. Rio de Janeiro: Calibán, 2010. Vídeo no Youtube: http://www.youtube.com/watch?v=EAAPVLPxN98

WILDE, Oscar. O retrato de Dorian Gray. Organizador: Nicholas Frankel. Tradutor: Jorio Dauster. Ed. anotada e não censurada. São Paulo: Globo, (1890 in) 2013 – Biblioteca Azul.

_______________________________________

Exercício I

GEEC 1

GEEC 2

GEEC 3

GEEC 4

Exercício I

GEEC 5

GEEC 6

GEEC 7

GEEC 8

GEEC 9

GEEC 10

GEEC 11

GEEC 12

GEEC 13

IMG_6757

IMG_6759

IMG_6760

IMG_6762

IMG_6763

IMG_6770

IMG_6771

IMG_6773

Índex* – Setembro, 2017

Foram derrubados os muros da cidade, o Muro Alto não existia mais.

Plantaram jardins conjuntos, escreveram livros para uns aos outros ler.

Era bom aquele começo, com a esperança no coração.

(“A Cidade Universitária”. In A menina do olho verde, Patricia Gonçalves Tenório)

Furono rubate le mura della città, il Muro Alto non esisteva più.

Piantarono giardini comunicanti, scrissero libri per leggerli gli uni agli altri.

Era buono quell’inizio, con la speranza nel cuore.

(“La Città Universitaria”. In La bambina dagli occhi verdi, Patricia Gonçalves Tenório,

Traduzione Alfredo Tagliavia, Milano, Italia: IPOC, 2016)

Os muros derrubados pela Escrita Criativa no Índex de Setembro, 2017 no blog de Patricia Gonçalves Tenório.

Prêmio Il Convivio, 2017 & “A menina do olho verde” | Patricia Gonçalves Tenório (PE – Brasil). 

I Seminário Nacional em Escrita Criativa de Pernambuco & “Sobre a escrita criativa” | Diversos.

“Separação” | Clauder Arcanjo (RN – Brasil).

“Tecelãs” / “Tejedoras” | Rizolete Fernandes (RN – Brasil).

Grupo de Estudos em Escrita Criativa – Setembro, 2017 | Bernadete Bruto (PE – Brasil), Elba Lins (PB/PE – Brasil), Luisa Bérard (AL/PE – Brasil), Talita Bruto (PE – Brasil).

Agradeço a participação e carinho, a próxima postagem será em 29 de Outubro de 2017, grande abraço e até lá,

Patricia Gonçalves Tenório.

____________________________________________

Index* – September, 2017

The walls of the city were overthrown, the High Wall no longer existed.

They planted joint gardens, wrote books for each other to read.

That beginning was good, with hope in the heart.

(“The University City”. In The Green Eye Girl, Patricia Gonçalves Tenório)

 

The walls overturned by the Creative Writing in the Index of September, 2017 in the blog of Patricia Gonçalves Tenório.

Prize Il Convivio, 2017 & “The Green Eye Girl” | Patricia Gonçalves Tenório (PE – Brasil).

I National Seminar on Creative Writing in Pernambuco & “About creative writing” | Miscellaneous.

“Separation” | Clauder Arcanjo (RN – Brasil).

“Weavers” / “Tejedoras” | Rizolete Fernandes (RN – Brasil).

Study Group on Creative Writing – September, 2017 | Bernadete Bruto (PE – Brasil), Elba Lins (PB/PE – Brasil), Luisa Bérard (AL/PE – Brasil), Talita Bruto (PE – Brasil).

Thanks for the participation and affection, the next post will be on October 29, 2017, big hug and until then,

 

Patricia Gonçalves Tenório.

____________________________________________

4 - IMG_4471

2 - IMG_4394

5 - IMG_4581

**

____________________________________________

* Índex foi traduzido (a maior parte) apenas para o inglês por uma questão de extensão do post.

* Index was translated (most of it) into English only as a matter of the extension of the post.

** Os muros derrubados entre Recife e Porto Alegre no I Seminário Nacional em Escrita Criativa de Pernambuco. The walls overturned between Recife and Porto Alegre in the First National Seminar on Creative Writing in Pernambuco.

Grupo de Estudos em Escrita Criativa – Setembro, 2017

O exercício do mês de Setembro de 2017 do Grupo de Estudos em Escrita Criativa foi “Escrever sobre escrever”, “Escrever sobre assistir”.

Trago ao centro dois textos que penso representarem bem esses “exercícios de desbloqueio”. Porque a escrita é um subir de montanhas, é subir “o monte da resposta perdida” para tentar encontrar a si mesmo, a sua própria voz, única, intransferível. Insubstituível.

Dois sonhos se encontram no mês de Setembro anunciando o mês de Outubro de 2017. O Primo Premio Assoluto da Accademia Internazionale Il Convivio, Itália para a fábula lúdico-adulta A menina do olho verde, livro que, entre as primeiras pessoas a acreditarem, estavam Bernadete Bruto e Elba Lins.

E o I Seminário Nacional em Escrita Criativa de Pernambuco, Seminário no qual vários(as) outros(as) escritores(as) do Brasil e exterior acreditaram, mas que é fruto, flor e árvore da semente plantada lá no início, em agosto de 2016, no Grupo de Estudos em Escrita Criativa, e que com imensa alegria estarão lançando seus primeiros livros – Elba Lins & Do outro lado do espelho – O feminino em estado de poesia, Luisa Bérard & Nas montanhas do Marrocos –, e o primeiro livro infantil de Bernadete Bruto, A menina e a árvore.

Boa leitura!

 

Patricia Gonçalves Tenório

__________________________________

 

Bernadete Bruto

bernadete.bruto@gmail.com

 

A PAIXÃO PELA ARTE OU A ARTE DA PAIXÃO?

                                                                                                          

Hoje assisti a dois filmes:  A Arte da Paixão (2013) e  Effie Gray: uma paixão reprimida (2014) e passo a comentar visando apenas a forma de fazer arte.

No primeiro, há duas formas de conceber arte. Uma, viver intensamente a arte, expressá-la, vivenciá-la, fluir com ela. Na liberdade, assim como da mesma forma amar. Algo parecido com que Vinícius diz sobre o amor: “Que não seja imortal, posto que é chama. Mas que seja infinito, enquanto dure.” A outra forma, sentir a vida, introjetá-la e extravasar na escrita. Como se o diário fosse uma espécie de confessionário.

O filme A Arte da Paixão (Summer in February) trouxe visões distintas sobre a arte e como fazê-la. Baseado no diário pessoal de Gilbert Evans, conta a história do triângulo amoroso entre o pintor Alfred Munnings, seu amigo Evans e sua esposa Florence Carter-Wood, também pintora. A história se desenrola na Cornualha numa cidade que agrega um grupo de artistas denominado Grupo Lammorna. Uma história real, que gerou um livro escrito por Jonathan Smith, foi transformada num roteiro muito interessante, e em outro tipo de arte. (Que beleza!)

De cara me identifiquei com A.J., assim denominado Alfred Munnings. Sua sede de viver e de expressar a arte. Talvez até porque, logo no início do filme ele recita o poema “O corvo”, poema que muito aprecio, que além da beleza da forma, a recitação é primorosa e o ator o faz de maneira magistral. Eu, aqui do sofá, fui arrebatada! Muito embora tenha uma paixão pela expressão poética, reconheço que outras formas da linguagem têm igual valor. Como também a forma que os artistas queiram vivenciar a sua arte. Acredito não haver receitas. Depende das escolhas com que mais nos identifiquemos. Inclusive, porque o que apreciei em A.J. como artista, não morri de amores pelo homem! Neste assunto, a sensibilidade de Gilbert me atrairia mais.

No caso de A.J., ele era feliz ali naquela comunidade de artistas conforme declarou em discurso, que apresentamos em seguida e que fez sintonia no meu coração:

 

Meus amigos. Minha família da Cornualha por assim dizer.

Que encara o mundo como eu, que capta o seu pulsar, que vê a luz do mar, a pelagem brilhante de um cavalo e o esplendor de uma beldade em um lindo dia.

 

Não conhecia o artista A.J. Munnings e gostei de ver suas pinturas e saber algo sobre ele, sobre Florence e em especial a tela da mulher sobre o cavalo, e não é que descobri várias telas de mulheres a cavalo?

Foi um filme muito agradável e apesar do final triste, em algum momento A.J. até confessa que o casamento e a sua forma de viver a arte não estavam fluindo bem: era tudo tão fácil! Beber, pintar, andar a cavalo. Mas isso, acaba comigo. Deste filme, escolhi ficar com o exemplo do companheirismo de Laura e Harold Knight que viveram com autencidade tanto na arte quanto na vida, e extraí essa mensagem: “amar só não basta. Certas artes são como o sacerdócio e compatibilidades é o que mais necessitamos.”

O segundo filme, Effie Gray: uma paixão reprimida, novamente o triângulo amoroso entre um crítico de arte e crítico social britânico John Ruskin, sua esposa Euphemia “Effie” Gray e o artista John Everett Millais, também outra adaptação da uma história real sobre a primeira mulher na Inglaterra que pediu divórcio.

Embora o filme comece com a famosa frase ERA UMA VEZ, nada indicava um conto de fadas e romance. Tive a impressão que a protagonista era a arte e não Effie. A arte estava em primeiro lugar na vida de Ruskin, que também foi poeta e desenhista e vivia no pedestal que ele foi colocado pelos pais e pela sociedade. Seu conceito de arte apresentado num evento durante o filme, já nos remete à sua forma de vivenciá-la:

 

Qual o propósito da arte? Idealizar? Sentimentalizar? O propóstio da arte é revelar a verdade. É revelar Deus.

 

Talvez por Effie ter sido em criança sua musa, para quem ele escreveu um livro, não pudesse tornar-se nem mulher, nem real para ele, na sua concepção neurótica.  Também encontrei no filme uma alusão de que o artista faria um livro escrevendo sobre a “maldade” de sua mulher, o que me deixou a meditar se ela não estaria sendo um experimento para aquele futuro livro. Ruskin me deixou a impressão de que certos artistas se dedicam tanto à sua arte, que não há espaço para nada mais na vida.

No caso em particular, o final não foi feliz para Ruskin que teve sua vida exposta à sociedade da época, todavia Effie casou com Millais e teve 8 filhos. Isso, descobri em pesquisa, como outros detalhes sórdidos sobre Ruskin e Effie, que não interessam para a nossa análise. Um filme muito romântico, apesar dos momentos de infelicidade, e com final feliz, a marca registrada dos roteiros de Emma Thompson, que participa deste filme, assim como de outros que ela produz, roteiriza, e que me agrada bastante.

Por fim, porque ambos os filmes abordam o assunto da arte, fica a pergunta inicial no título de como se manifestou a arte e a vida nessas produções.

 

Recife, 20 de Agosto de 2017.

 

 

Elba Lins

elbalins@gmail.com

 

 

Por ser de lá do Sertão, lá do Cerrado
Lá do interior do mato
Da Caatinga do roçado.
Eu quase não saio
Eu quase não tenho amigos
Eu quase que não consigo
Ficar na cidade sem viver contrariado.(2)

Gilberto Gil e Dominguinhos

 

 

 

A leitura do conto “Lonesome Town”(1), de Luís Roberto Amabile, me emocionou. Quiçá porque, tratando-se de uma paisagem seca, do sertão, mais especificamente do Sertão do Pajeú, me fez lembrar do meu próprio lugar incrustado no Sertão do Cariri.

Assim, comecei a ler e me identificar com a paisagem, a entender os sonhos de tantos que abandonam por instantes o pensar seco, árido e vazio e ousam voar em devaneios poéticos. Penso no dono do Café e no seu sonho de uma grande competição onde as vozes de Caetano Veloso, Bom Jovi e Laura Pausine cantam a solidão e enaltecem o nome do lugar, colocando luz e colorido na monotonia vigente.

E a inusitada imagem da Greta Garbo de Solidão, me trouxe lágrimas aos olhos. “Greta Garbo! A maior estrela de cinema da sua época, a mais reclusa entre todas as celebridades que já existiram. Greta Garbo, a mulher mais bonita de todos os tempos, que escolheu a solidão…” (AMABILE, 71). Greta Garbo, havia escolhido Solidão.

E eu, talvez por ser uma amante da dança e saber que num átimo, num passo de dança,  maravilhas acontecem, sonhos se realizam e diferentes solidões se entrelaçam e deixam-se levar num redemoinho cósmico, sinta tão fortemente essa imagem. Depois daquela dança a vida em Solidão jamais voltou a ser a mesma para aquela velha dama em azul. Aquela que num momento ímpar se “fez bonita como há muito tempo não queria ousar (3)”. Depois daquela dança, Solidão, Greta Garbo, e até mesmo eu nunca mais fomos os mesmos!

 

(TAMBÉM  EXISTEM SONHOS NO CAFÉ SOLIDÃO

Após a leitura do conto “Lonesome Town” no livro O amor é  um lugar estranho, de Luís Roberto AmabileElba Lins  18.09.2017)

 

Referências

1 – “Lonesome Town” no livro O amor é  um lugar estranho – Luís Roberto Amabile

2 – “Lamento Sertanejo” – Gilberto Gil e Dominguinhos

3 – “Valsinha” – Chico Buarque