Ao usar nosso site, você está aceitando o uso dos nossos cookies.

Índex* – Dezembro, 2015

Manoela inventou uma história em que tudo acaba bem: pais, irmãos, primos e tios, amigos e inimigos. Ela fez circundar pelo seu corpo energias positivas que feito estrelinhas enfeitaram os seus cabelos. Lançou pelo ar o aroma dos lírios florescentes, e a pureza penetrou os…

Céu de primavera | Shirley Lima* & André D

Na beleza transcendente de clima, morno e ameno, as nuvens fluíam, dispersando do céu, aquele vento primaveril é maravilhoso e toca suavemente a face e os semblantes encantados com as novas vestes de arvores. Flores caíam, renovando as pétalas, estas com os seus enormes aromas…

Poema de Jan de Boer* enviado por Oleg Almeida**

en espérant le bonheur   chaque matin une chance chaque soir un élan vers un peut-être plus tard   peut-être?   et chaque jour de nouveau attendre ce qui n’existe pas   savoir ceci jusqu’à la pulsation savoir ceci avec chaque fibre   et pourtant?…

“Girândola”* | O Poeta de Meia-Tigela**

“Foi girando cada vez mais depressa e, por fim, girando com enorme rapidez, rebentou, espalhando-se pelo ar qual um punhado de estrelas cintilantes” (Herman Hesse, O Jogo das contas de vidro)   Édipo assumido   As mulheres amigo são em número Tal que só pensar…

“Canto aceso”* | Carlos Nóbrega**

Não canto os lugares aonde eu fui, Eu canto o Lugar onde eu sou –   E o Canto que eu canto vejo aceso menos pelo sol do que por meu amor. (Epígrafe de Canto aceso)   Nascimento   Minha mãe me deu ao sol,…

“Crônicas absurdas de segunda”* | Raymundo Netto**

A moça do Zepelim Prateado***   5 de março de 2007   Numa dessas manhãs chuvosas em que dá uma vontade doida de sair para o centro da cidade a fotografar prédios antigos, estava eu num dos locais mais queridos para mim: a praça dos…