Ao usar nosso site, você está aceitando o uso dos nossos cookies.

Índex* – Janeiro, 2013

  E se de repente o sol salgar o seu rosto lágrimas secas penetrantes de sua natureza fixando as memórias escorridas, escondidas em seu rosto pálido de saudade? (Emilson Zorzi**, 24/01/13)   Poesia brotando dos cantos mais profundos da alma… Inicio 2013 e o Índex…

Revisitando Patricia Tenório* – Janeiro 2013

  Três contos de Carnaval Post: http://www.patriciatenorio.com.br/?p=3252 (Em  19/02/2012)   A ladeira da misericórdia  Participação na antologia Sonhos de Carnaval, 2008                       Decidi ser aquele meu último carnaval em Olinda. Enxergava o maracatu, as sombrinhas coloridas dos passistas, o Homem e a Mulher da…

Rosa do Deserto* | Rizolete Fernandes**

           Em visita a um amigo que cultiva plantas e flores em sua bela moradia à margem da Lagoa de Alcaçus, recebi de presente a muda de uma planta chamada Rosa do Deserto, de caule cinza esverdeado, desnudo e com folhas verdíssimas na extremidade superior. Ela…

Quando as noites voam* | Jorge Tufic**

  Como surgiu a noite    A Noite dormia no fundo do rio.   Cobra-Grande guardava as profundezas, e ainda não havia animais, nem pássaros, nem peixes. A noite tinha pálpebras de breu e ainda vivia encolhida dentro de um caroço de tucumã.   Aí,…

Liberdade, ainda que tardia!| Mara Narciso*

 19 de janeiro de 2013   Após a busca da felicidade, o que se quer é liberdade. Muitos a procuram, e nem sempre sabem onde encontrá-la. Algumas revoluções têm a liberdade como palavra de ordem, como aquela da Inconfidência Mineira, em latim, “Libertas quae será…

Textos Poéticos | Carlos Alberto Cavalcanti*

  UMA LEITURA DE “O ENTERRO” (PORTINARI)**     Quatro homens conduzem o esquife contendo um defunto anônimo que segue para a plantação dos corpos inertes; os condutores vão a passos largos, talvez temam que o defunto resolva desdefuntar (e a hora não é própria);…